terça-feira, 28 de junho de 2016

Censo dá início à coleta de dados; gestores escolares têm prazo até o dia 31 de agosto

A primeira etapa da coleta de dados do Censo Escolar de 2016 teve início nesta segunda-feira, 27, e se estenderá até 31 de agosto. Diretores e responsáveis por escolas de educação básica de todo o país devem providenciar o preenchimento, pela internet.

Durante esse período, serão coletadas informações detalhadas sobre as unidades de ensino públicas e particulares e sobre alunos, professores e turmas de todas as etapas e modalidades da educação básica.

Realizado anualmente, o Censo é o principal levantamento estatístico-educacional de âmbito nacional. Os dados, coletados de forma específica, incluem desde a infraestrutura das escolas, matrículas e funções docentes até o movimento e o rendimento escolares. Esse detalhamento é considerado importante e exige rigor dos responsáveis pelo preenchimento. Ele subsidia a definição de políticas públicas de educação, bem como a distribuição de recursos da União a estados e municípios.

As informações do Censo são usadas, ainda, para o cálculo do índice de desenvolvimento da educação básica (Ideb), indicador de referência para as metas do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE).

A data de referência das informações prestadas deve ser a de 25 de maio, Dia Nacional do Censo escolar da Educação Básica.

Após o preenchimento por parte dos diretores e responsáveis, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) verifica a consistência dos dados coletados. Em seguida, as informações preliminares são publicadas no Diário Oficial da União. O sistema fica aberto também para verificação e eventual correção de informações por um prazo de 30 dias, a contar da publicação.

A segunda etapa do Censo Escolar de 2016 consiste na abertura, no sistema Educacenso, do módulo Situação do Aluno. Nesse período, que deve ter início em 2 de fevereiro de 2017, serão coletados os dados sobre  o rendimento e o movimento escolares dos alunos declarados (aprovação, reprovação e abandono).

A Portaria do Inep nº 286/2016, com o cronograma completo do Censo Escolar, foi publicada no Diário Oficial da União do dia 8 último.

O preenchimento dos dados do Censo Escolar deve ser feito no sistema Educacenso.

Assista:



Fonte: Portal do MEC, com informações do Inep

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Seminários estaduais que debaterão a Base Comum Curricular começam a ser organizados

A construção coletiva da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) chegou ao momento de sugestão das últimas alterações e supressões no texto por parte dos estados, na segunda versão do documento. Antecedendo as discussões estaduais, um seminário de formação reúne, entre esta segunda e terça, dias 20 e 21 de junho, na Universidade de Brasília (UnB), os integrantes da comissão de mobilização para tratar da organização dos encontros.

Uma metodologia para a condução dos seminários nos estados será apresentada pelo Conselho Nacional de Educação (Consed) e a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime). Com o apoio do Ministério da Educação, as duas organizações estarão à frente da preparação dos seminários nos 26 estados e no Distrito Federal.

A proposta é que os seminários reúnam estudantes, professores e demais profissionais da educação que tenham participado da consulta pública sobre a BNCC para discutir a segunda versão do documento. Ao final de cada seminário estadual será produzido um relatório.

Um relatório final será entregue ao MEC que, por sua vez, o encaminhará ao Conselho Nacional de Educação (CNE). A avaliação dessa terceira versão pelo CNE começará após os seminários estaduais.

Para o presidente do Consed, Eduardo Deschamps, a organização dessa nova fase de discussões e a apresentação de uma metodologia para a realização dos seminários são fundamentais para aperfeiçoar o documento. “Uma vez que iremos reunir mais de 7 mil pessoas, entre professores, estudantes e representantes da sociedade”, destaca.

Segundo o presidente da Undime, Alessio Costa Lima, o seminário de formação funcionará como orientador na organização de suas discussões. “A metodologia será uma ferramenta que vai ajudar os estados a sistematizar suas discussões”, observa.

Para o evento em Brasília, estão convidados os especialistas que escreveram o texto preliminar. O grupo vai pontuar as principais alterações feitas na segunda versão, comparando com a primeira, que recebeu mais de 12 milhões de contribuições por meio de consulta pública. A construção da Base também contou com a participação de leitores críticos, além de associações e sociedades científicas.

A realização dos seminários estaduais para a discussão da segunda versão da BNCC vai ao encontro do que determina a Lei 13.005/2014, que estabelece o Plano Nacional de Educação (PNE). De acordo com a legislação, a União, os estados, os municípios e o DF deverão pactuar a implementação de direitos e objetivos de aprendizagem e desenvolvimento que configurarão a Base Nacional Comum Curricular.

Obtenha mais informações no portal da Base

Fonte: Portal do MEC

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Ações de mobilização das famílias pela melhoria da educação avançam em Anápolis (GO)

Palestra sobre interação família-escola-comunidade
 no Colégio Estadual General Curado, em Anápolis
Lideradas pela mobilizadora social pela Educação Elisabete Rosa Pereira, com o apoio da Capelania Brasileira e da Subsecretaria Regional de Educação (Seduc), as atividades de incentivo à participação das famílias no cotidiano escolar vêm avançando em Anápolis, Goiás. No dia 9 de junho, as ações conduzidas pela mobilizadora alcançaram o Colégio Estadual General Curado, onde familiares de alunos se reuniram com a coordenação da unidade de ensino e foram apresentados às orientações da cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos.

De acordo com Elisabete, a reunião teve como fortalecer o compromisso entre os pais e mães de estudantes com a escola. “A ação visou contribuir para a interação família-escola-comunidade, pois a família tem um papel imprescindível na melhoria da educação”, avaliou a mobilizadora. Além das recomendações da cartilha, durante o encontro foram expostas as metas e estratégias do Plano de Mobilização Social pela Educação (PMSE) e abriu-se espaço para que os familiares e responsáveis relatassem suas dificuldades e expectativas.

Participantes da reunião no CE General Curado conheceram
as orientações da cartilha
“Foi de fato um encontro enriquecedor e motivador aos pais que, talvez, estivessem ansiosos por um assunto tão oportuno como esse”, observou Elisabete. A mobilizadora também destacou o entusiasmo da gestão do Colégio com a atividade. “A gestora, Márcia Nunes Franco e Silva, demonstrou euforia ao ver a quantidade de pais que compareceram, pois o número superou suas expectativas e da sua equipe gestora”, apontou.

Além das escolas, a mobilizadora e missionária capelã tem buscado envolver entidades religiosas nas ações de incentivo à interação família-escola-comunidade. No dia 28 de maio, Elisabete foi convidada pela Igreja Adventista do Sétimo Dia, localizada no bairro Jardim Suíço, em Anápolis, a apresentar as orientações da cartilha e do PMSE à comunidade da igreja. A exposição integrou a programação da Semana da Família promovida pela instituição religiosa.

Atividade na Igreja Adventista do Sétimo Dia incentivou
os familiares de alunos a participarem do cotidiano escolar
Durante a palestra, Elisabete ressaltou a importância da participação das famílias no cotidiano escolar de crianças e adolescentes, por meio de atitudes simples, como checagem de deveres de casa, presença nas reuniões promovidas pelas escolas, conversas com professores, entre outras. Segundo a mobilizadora, o evento foi bem recebido pela comunidade da igreja.

“Foi um encontro surpreendente. A Igreja está localizada num dos pontos periféricos da Cidade de Anápolis e possui ruas pouco movimentadas, mas todos os convidados para o evento estavam presentes e se sentiram animados em apresentar suas dificuldades e aceitaram o desafio de contribuir na divulgação da Cartilha para outras famílias”, relatou a mobilizadora.

Elisabete Pereira e Sandra Prado, responsáveis pela divulgação
da mensagem da Cartilha no CEMAD
Também vêm sendo reforçadas as ações de Mobilização Social pela Educação conduzidas por Elisabete junto ao Centro Municipal de Atendimento à Diversidade (CEMAD), instituição pública municipal que atende pessoas com deficiência e/ou necessidades educacionais especiais em Anápolis. Realizadas semanalmente, as atividades no CEMAD agora contam com o apoio da terapeuta Sandra Prado, que auxilia na divulgação da mensagem da cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos durante as rodas de convivência promovidas pela entidade.

“A cada encontro da Mobilização novas oportunidades para promovermos ações são alcançadas e, assim, a Mobilização tem crescido e se tornado conhecida”, comemorou Elisabete.

Com informações de Elisabete Rosa Pereira, mobilizadora social pela Educação em Anápolis (GO).

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Secretaria de Educação de Paragominas (PA) lança projeto para estimular interação família-escola

Participantes do Dia "D" de Mobilização, em Paragominas
Com o objetivo de atrair os familiares de alunos para o ambiente escolar, a Prefeitura Municipal de Educação (Semec) de Paragominas (PA), por meio da Secretaria Municipal de Educação, lançou, no dia 30 de maio, o projeto Família Educadora. As ações do projeto, que almejam mobilizar o maior número possível de famílias dos 26 mil alunos matriculados na rede municipal de ensino ao longo do ano letivo, foram iniciadas com a realização do “D” de Mobilização, no dia 3 de junho.

Entre as estratégias do Família Educadora para incentivar a participação de pais e responsáveis está a formação de grupos de familiares de alunos para facilitar o contato com a direção das escolas. Durante a programação do Dia “D”, que foi promovido em todas as escolas municipais localizadas nas zonas urbana, rural e indígena, foram escolhidos membros das famílias dos estudantes para representar cada uma das turmas das escolas. Esses representantes, por sua vez, constituem a “família” de cada unidade de ensino, que se reunirá mensalmente com a gestão da instituição.

Ações do Dia "D" de Mobilização foram realizadas em todas as
escolas da rede municipal de ensino
De acordo com a coordenadora da Semec, Rosiene Piedade, o projeto tem ainda como finalidade apresentar a proposta de ensino das escolas públicas municipais às famílias, fazendo com que elas se sintam corresponsáveis pelo sucesso escolar. “O projeto tem como um dos objetivos desenvolver a cultura do pertencimento escolar entre alunos, pais e colaboradores, a fim de que eles entendam os resultados que essa aproximação entre família-escola pode trazer para o desempenho educacional das crianças”, explica a coordenadora.  “É importante que os familiares percebam a importância da família para alcançar resultados maiores quanto à educação e que também conheçam o trabalho desenvolvido nas escolas, assim como quem está por trás dessas ações”, complementou.

Com informações da Assessoria de Imprensa da Prefeitura Municipal de Paragominas (PA).

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Escola de Santópolis do Aguapeí (SP) incentiva participação dos familiares na educação

Reunião com familiares de alunos na EMEB Prof. Minas
Barganian, em Santópolis do Aguapeí
A Escola Municipal de Educação Básica (EMEB) Professor Minas Barganian, localizada no município de Santópolis do Aguapeí, em São Paulo, vem incentivando a participação de pais e mães de alunos no cotidiano escolar. Entre as principais estratégias para mobilização das famílias estão reuniões periódicas com os familiares, discussão sobre o conteúdo da cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos e aplicação de questionário sobre a participação das famílias no cotidiano escolar.

Desenvolvido pela gestão da EMEB, o questionário sobre a interação dos pais e mães de estudantes com a escola foi respondido por 136 familiares. Destes, 133 disseram comparecer às reuniões promovidas pela instituição de ensino, 85 afirmaram conversar com os professores de seus filhos e a maioria alegou ler os comunicados enviados pela escola. 

A instituição de ensino também promove festas e outras ações
lúdicas para aproximar as famílias e a comunidade escolar
Apesar dos resultados positivos, a pesquisa também apontou aspectos que precisam ser melhorados. “A maioria dos pais disse não pedir orientação aos professores quando os filhos apresentam alguma dificuldade”, relatou a diretora da EMEB, Maria Emilia Pimentel Soares. 

Para aperfeiçoar a relação com pais, mães e responsáveis, a direção da EMEB Prof. Minas Barganian pretende continuar estimulando o acompanhamento dos alunos pelas famílias e a presença dos familiares nas atividades promovidas pela unidade de ensino.

Com informações de Maria Emilia Pimentel Soares, mobilizadora social pela Educação em Santópolis do Aguapeí (SP). 

terça-feira, 10 de maio de 2016

Cartilha "Acompanhem a vida escolar dos seus filhos" é divulgada a pais e mães de alunos em Anápolis (GO)

Apresentação da Cartilha no CE Dr. Mauá Cavalcante Sávio,
em Anápolis
A mensagem da cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos vem sendo apresentada a familiares de alunos de Anápolis em atividades conduzidas pela missionária capelã e mobilizadora social pela Educação Elisabete Rosa Pereira. No dia 29 de abril, exemplo da atuação da capelã pôde ser conferido no Colégio Estadual Dr. Mauá Cavalcante Sávio, onde, além da cartilha, Elisabete abordou as orientações do Plano de Mobilização Social pela Educação (PMSE) com mães de alunos da unidade de ensino.

Segundo a mobilizadora, a atividade teve como objetivo “advertir e orientar as famílias sobre os constantes cuidados com os filhos, com o monitoramento do aprendizado e com os relacionamentos na promoção da interação família-Escola-comunidade”. A ação foi organizada pela Capelania Brasileira com o apoio da gestão do Colégio e novo encontro com os familiares da unidade de ensino foi agendado para o próximo semestre.

Orientações da Cartilha são apresentadas semanalmente
a pais e mães de alunos no CEMAD 
As orientações da publicação também vêm sendo divulgadas no Centro Municipal de Atendimento à Diversidade (CEMAD), instituição pública municipal que atende pessoas com deficiência e/ou necessidades educacionais especiais em Anápolis. A convite do CEMAD, a Capelania Brasileira, representada pela mobilizadora Elisabete Pereira, assumiu o compromisso de se reunir semanalmente com familiares de alunos atendidos pela entidade para incentivá-los a participar de maneira mais efetiva do cotidiano escolar de seus filhos.

Ações no CEMAD têm como objetivo
aprimorar o envolvimento dos
familiares no cotidiano escolar 
“Embora o CEMAD atenda pessoas em todas as idades e em diversas especialidades, o atendimento às crianças e jovens em idade escolar é acompanhado por seus pais. Então, abriu-se a oportunidade de falar-lhes a respeito do Plano de Mobilização Social pela Educação (PMSE) e da cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos. A proposta é apresentar o PMSE semanalmente para pais recém-chegados, já que há grande rotatividade na utilização dos serviços”, explicou Elisabete.

Além de estimular a participação da família na trajetória educacional, a mobilizadora espera que, por meio do trabalho desenvolvido no CEMAD, esses familiares contribuam para a divulgação da mensagem da cartilha e do Plano de Mobilização. “Como a oportunidade estará aberta ao longo do ano, certamente eles serão mais envolvidos e poderão ser multiplicadores da Mobilização Social pela Educação”, ponderou.

Com informações de Elisabete Pereira Rosa, mobilizadora social pela Educação em Anápolis (GO). 

quinta-feira, 28 de abril de 2016

PMSE /MEC divulga relatório com propostas para avanço das ações de Mobilização

Participantes da reunião
O Plano de Mobilização Social pela Educação do Ministério da Educação (PMSE/MEC) vem incentivando, desde 2008, a participação dos familiares e da comunidade na vida escolar de crianças e adolescentes e a valorização da educação. Com o objetivo de aperfeiçoar e ampliar o Plano, no fim de 2015, o MEC promoveu uma reunião com representantes de instituições parceiras do PMSE, lideranças regionais e membros de instâncias representativas do setor educacional para realizar uma escuta qualificada e aprofundar as discussões sobre as estratégias para estimular a participação da sociedade na educação.

As principais propostas e sugestões para aperfeiçoamento do PMSE debatidas durante o encontro foram compiladas em relatório, cuja construção também contou com a colaboração dos participantes. Como afirmado nas considerações finais do documento, “as contribuições dos participantes da reunião de trabalho sobre a Mobilização Social pela Educação elencadas no relatório vão se somar aos acumulados das discussões feitas pela equipe do MEC nos últimos meses e aos trabalhos de consultorias que estão refletindo sobre as ações do Plano de Mobilização Social pela Educação. Por meio de tais aportes, busca-se conferir maior clareza conceitual e estratégica à Mobilização no interior do MEC”.

Participaram do debate lideranças regionais de Comitês de Mobilização Social pela Educação, representantes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC), do Instituto Votorantim e da Associação de Solidariedade Internacional (ESSOR), bem como membros da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME), do Conselho Nacional de Secretários de Educação (CONSED), da União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação (UNCME), do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais (FNCE) e do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

quarta-feira, 20 de abril de 2016

MEC promove concurso de vídeo sobre pesquisa para conhecer e combater o Aedes aegypti

“Sua escola está participando da Semana Nacional de Mobilização da Família e da Comunidade Escolar pelo Combate ao Aedes aegypti? Se estiver, reúna três amigos e um professor para, juntos, produzirem um vídeo que mostre como vocês estão prevenindo e combatendo os focos do mosquito transmissor da dengue, da febre chikungunya e do zika vírus.”

Essa é a proposta do concurso de vídeo Pesquisar e Conhecer para Combater o Aedes aegypti, lançado pelo Ministério da Educação. De acordo com o ministro Aloizio Mercadante, não basta um dia de mobilização para as ações contra o mosquito serem efetivas. “O trabalho deve ser sistemático e contínuo.”

Coordenado pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi), em parceria com as demais secretarias do MEC, o concurso terá as inscrições, gratuitas, abertas no período de 18 a 31 de maio próximo. Divido em etapas regional e nacional, o edital do concurso limita a inscrição a apenas um vídeo por escola nas diferentes categorias. Os filmes inscritos podem ter no máximo 90 segundos de duração e devem ser captados por aparelhos de telefone celular ou câmeras digitais domésticas, com boa qualidade de imagem e som.

Os vencedores das etapas regionais receberão certificados; os da etapa nacional, além do certificado, virão a Brasília para participar de um curso de formação. Os finalistas e vencedores serão anunciados na página oficial do concurso na internet.

Para fazer a inscrição, as escolas devem primeiramente postar o vídeo gravado no Youtube. Depois, preencher o formulário de inscrição, que estará disponível na página do MEC sobre o zika vírus. Vídeos postados com data posterior ou modificados após o preenchimento do formulário on-line serão desconsiderados.

Dados da instituição, como o código Inep (do Instituto Nacional de Estudo e Pesquisas Educacionais), o nome do diretor e o da equipe (alunos e professores), e do vídeo (deve ser o mesmo divulgado no Youtube), assim como o link do vídeo, devem ser informados corretamente. A falta de preenchimento de qualquer campo impedirá a conclusão da inscrição.

Mais informações no Edital da Secadi nº 1/2016, publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira, 6. As inscrições serão feitas exclusivamente na página do MEC sobre o zika vírus.

Fonte: Portal do MEC

quarta-feira, 30 de março de 2016

Mobilização Social pela Educação é discutida em Fórum de Erradicação do Trabalho Infantil em Caririaçu (CE)

Participantes do II Fórum de Erradicação do Trabalho Infantil
em Caririaçu conheceram a mensagem da cartilha
A Mobilização Social pela Educação foi um dos temas discutidos durante o II Fórum de Erradicação do Trabalho Infantil, realizado na cidade cearense de Caririaçu, no dia 17 de março. O evento foi promovido pelas secretarias municipais de Educação, Saúde e Assistência Social em parceria com as Ações Estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (AEPETI) e teve, entre seus objetivos, fortalecer as políticas públicas da Educação para proteção de crianças e adolescentes.

Durante a atividade, o mobilizador Elias Pereira Dantas, que também é presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), apresentou a cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos aos participantes do evento. Em sua exposição, o mobilizador enfatizou como as famílias podem contribuir para combater o trabalho infantil, por meio do acompanhamento do cotidiano escolar dos seus filhos.

O acompanhamento, por parte das famílias, da vida escolar
 dos estudantes foi apresentado como estratégia para
combater o trabalho infantil
O Fórum também contou com palestras conduzidas por representantes do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) e do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), do Conselho Tutelar e do Programa de Educação contra a Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente (PETECA). Entre os participantes, estiveram presentes alunos do Centro de Convivência do CRAS, agentes comunitários de saúde, profissionais da Educação, membros do Núcleo de Cidadania dos Adolescentes (NUCA), entre outros.

Como resultado da atividade, de acordo com o mobilizador Elias Dantas, foram entregues instrumentais para busca ativa de alunos fora da escola e para detectar trabalho infantil.

Com informações de Elias Pereira Dantas, mobilizador social pela Educação em Caririaçu (CE). 

segunda-feira, 28 de março de 2016

ESSOR divulga relatório de atividades de Mobilização Social pela Educação

Rodas de diálogo com as famílias foram algumas das ações
desenvolvidas pela ESSOR em 2015
A Associação de Solidariedade Internacional – ESSOR, parceira do Plano de Mobilização Social pela Educação (PMSE/MEC) desde 2012, divulgou relatório sobre as ações desenvolvidas com o objetivo de incentivar a participação das famílias e da comunidade na educação durante o ano de 2015, nos estados da Paraíba e do Ceará. As atividades envolveram, principalmente, o fortalecimento das ações dos Comitês de Mobilização das cidades de Patos e Maturéia (PB) e de Várzea Alegre e Granjeiro (CE).

Mobilização da comunidade promovida pelo Projeto Movendo
Cidadania em Várzea Alegre (CE)
Entre as ações, o relatório destaca a construção de agenda conjunta entre os Comitês e diversos segmentos sociais, como escolas, secretarias, entidades religiosas e associações comunitárias. Também é ressaltada a atuação dos Projetos Movendo Cidadania – na Paraíba e no Ceará – e Atores pela Cidadania – em João Pessoa (PB) –, executados pela ESSOR com o apoio da Ação Social Diocesana de Patos (ASDP), da Associação Comunitária de Várzea Alegre (ACOMVA), do Centro Popular De Cultura E Comunicação (CPCC) e do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente (CMDCA).

“Esse foi um ano de muitas ações que mobilizaram as famílias em diversos formatos a partir dos Projetos Movendo Cidadania (Paraíba e Ceará) e Atores da Cidadania (João Pessoa/PB) e parcerias locais nessas regiões: rodas de diálogos, encontros nas escolas com as famílias, ciclo de formação, mobilizações comunitárias, seminários municipais e regionais, eventos comemorativos relacionados aos direitos da criança e do adolescente e datas festivas”, apontou o documento.

Ação da UMEC em Patos (PB)
Também teve destaque no relatório a atuação da Unidade Móvel de Educação para a Cidadania (UMEC). De acordo com o documento, 5.927 pessoas foram mobilizadas pela UMEC, que promoveu contato com as famílias e com a comunidade escolar por meio de atividades de caráter educativo e sociopolítico, que incentivaram a conscientização da população sobre os seus direitos, especialmente com relação à educação.


Acesse o Relatório Anual das ações de Mobilização Social pela Educação na Paraíba e Ceará elaborado pela ESSOR e conheça mais ações realizadas pela Associação em 2015.

quinta-feira, 24 de março de 2016

Ministério da Educação participa de plano nacional contra o Aedes e a microcefalia

Em cerimônia no Palácio do Planalto, foram anunciados
 investimentos de R$ 649 milhões contra o mosquito
 (Foto: João Neto/MEC)
Depois de mobilizar 60 milhões de estudantes e profissionais da educação contra o mosquito Aedes aegypti no início do ano letivo de 2016, o Ministério da Educação participa agora da fase de estudos para o combate ao mosquito que transmite a dengue, o zika e a chikungunya. As ações do Eixo de Desenvolvimento Tecnológico, Educação e Pesquisa foram anunciadas nesta quarta-feira, 23, no Palácio do Planalto, em Brasília.

Serão investidos R$ 649 milhões nas pesquisas que compõem o Plano Nacional de Enfrentamento ao Aedes aegypti e à Microcefalia. Além do MEC, que empregará R$ 36 milhões, os ministérios da Saúde e da Ciência, Tecnologia e Inovação também desenvolverão estudos. Até 2018, os recursos chegarão a R$ 1,2 bilhão, segundo a presidenta Dilma Rousseff.

“A mobilização dos estudantes, tanto das séries finais do ensino fundamental como do ensino médio, inequivocamente é uma forma de mobilizarmos a sociedade”, destacou a presidenta, ao lembrar os esforços capitaneados pelo MEC contra o mosquito.

A presidenta anunciou, ainda, outra campanha que o Ministério vai promover no começo de abril, desta vez junto às famílias dos estudantes. “O MEC estará, juntamente com os secretários de educação, promovendo uma grande mobilização no sentido de levar os pais das crianças a desenvolverem esse combate. Até porque nós todos sabemos que, enquanto não temos a vacina, é fundamental que a gente elimine os criadouros”, afirmou Dilma.

Ações – As pesquisas na área de educação serão desenvolvidas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Conforme o presidente da Capes, Carlos Nobre, “de várias maneiras esses recursos vão contribuir com o aumento do conhecimento científico sobre o vetor e o vírus da zika”.

A primeira ação de uso desses recursos é a destinação de R$ 6 milhões para apoio a cerca de 20 grupos com projetos de pesquisa sobre o virus, em todas as áreas, em fase de conclusão. A intenção, segundo Nobre, é em pelo menos seis meses apresentar resultados importantes.

Em breve, conforme o presidente da Capes, será lançado também um edital de pesquisas de mestrado e doutoramento, com investimento de R$ 50 milhões. Parte dos recursos anunciados hoje se somarão a outros vindos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

O certame será voltado para as cinco áreas prioritárias elencadas pelo eixo de pesquisas no combate ao Aedes aegypti: diagnóstico, controle vetorial, o vírus zika e sua relação com doenças como a microcefalia, vacinas e tratamentos, além de inovação em gestão de Serviços de Saúde, de saneamento e de políticas públicas.

“É uma emergência onde existe um enorme desconhecimento científico. Ninguém previu, ninguém imaginou que podia haver uma epidemia causada pelo vírus zika e que tivesse uma dimensão, um agravo pelas consequências, as doenças que o vírus ocasiona”, frisou Carlos Nobre.  

A presidenta Dilma Rousseff reforçou que “mesmo nessa etapa de dificuldades fiscais”, o Governo Federal dará todas as condições para que os estudos sobre o vírus alcancem outros patamares. “Nós temos um compromisso de não deixar faltar recursos para essas pesquisas”, disse.

Fonte: Portal do MEC

segunda-feira, 21 de março de 2016

Mobilizadores de Anápolis (GO) reforçam ações de incentivo à interação família-escola

Tutoras da Subsecretaria Regional de Anápolis reuniram-se
com a mobilizadora Elisabete Pereira para reforçar
 ações de Mobilização nas unidades de ensino
Com o intuito de avaliar o avanço da Mobilização Social pela Educação na região de Anápolis e de fortalecer as ações de incentivo à interação família-escola, a mobilizadora e missionária capelã Elisabete Pereira se reuniu, no dia 7 de março, com as tutoras da Subsecretaria Regional de Educação de Anápolis. Durante a atividade, que também contou com a presença da coordenadora pedagógica Roseli Nascimento, foram apresentados novos métodos para condução do trabalho em conjunto entre a Subsecretaria de Educação e a Capelania Brasileira.

“A reunião teve como objetivo renovar apoio e propósitos firmados há alguns anos, entre a Capelania Brasileira e a Subsecretaria, para darem continuidade à promoção da Mobilização Social pela Educação, cujos resultados têm sido positivos e relevantes na jornada educacional”, destacou Elisabete. Além de reforçar a parceria com a Subsecretaria de Educação de Anápolis, o encontro apresentou o Plano de Mobilização Social pela Educação (PMSE) às novas tutoras do órgão.

Reunião também visou apresentar o PMSE às novas tutoras
da Subsecretaria
Entre os resultados da atividade, a mobilizadora Elisabete Pereira ressalta o reforço à disseminação do Plano de Mobilização nas unidades de ensino de Anápolis. “Na mesma semana que realizamos o encontro, muitos contatos com novos Gestores de Unidades Escolares foram agendados para que haja divulgação do PMSE entre as famílias, estudantes e docentes”, pontuou.


Com informações de Elisabete Rosa Pereira, mobilizadora social pela Educação em Anápolis (GO).

sexta-feira, 18 de março de 2016

Consulta pública sobre Base Nacional Comum recebeu mais de 12 milhões de contribuições

Nova versão do currículo para a educação básica
começa a tomar forma em junho (Foto: Mariana Leal/MEC)
Mais de 12 milhões de contribuições. Foi com esse número tão expressivo que a consulta pública sobre o documento preliminar da Base Nacional Comum Curricular (BNC) foi encerrada nesta terça-feira, 15, após seis meses aberta à participação de toda a sociedade brasileira. A metade das colaborações partiu de 45 mil escolas.

“Essa é uma participação muito expressiva. Eu não tenho notícias de uma consulta pública que tenha mobilizado de forma tão intensa, de forma tão abrangente, a sociedade brasileira, os profissionais da educação e também as comunidades escolares em todo o país”, avalia o secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, Manuel Palácios.

Ao todo, mais de 300 mil cadastros foram registrados no Portal da Base. Dentre os cadastrados, 207 mil professores. “Se nós fizermos a soma das contribuições coletivas com a participação individual de professores, nós devemos estar muito próximos da participação de 1 milhão de professores”, acredita Palácios.

Com o apoio do Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed) e da União Nacional de Dirigentes Municipais de Educação (Undime), toda a comunidade escolar foi mobilizada em debates que contaram com a participação de alunos, famílias e profissionais da educação, especialmente docentes – o que se refletiu nas contribuições.

Esses números generosos se somam às mais de 700 reuniões, realizadas em todos os estados e no Distrito Federal, de que a equipe de assessores e especialistas do MEC e da Base participou, para promover a discussão pública. As sociedades científicas, associações profissionais e universidades também contribuíram com o aprimoramento do texto preliminar, enviando suas contribuições e se reunindo com os responsáveis pela redação do documento.

Cronograma – “Agora em 15 de abril nós queremos dar a público a segunda versão da proposta de Base Nacional Comum. Ainda será uma proposta preliminar, que vai a debate nos estados brasileiros, pra que a gente chegue em junho com um desenho que represente uma grande convergência de todos que lidam com educação básica no país”, diz Palácios sobre a próxima etapa do processo de construção da Base. Em maio, cada unidade da federação promoverá um seminário sobre a BNC, com a participação de professores, estudantes, pesquisadores e suas respectivas equipes técnicas, a fim de garantir ao debate ampla participação e pluralidade.

Os encontros serão organizados pelas secretarias de educação dos estados, municípios e do Distrito Federal, que deverão encaminhar ao MEC as últimas propostas para alteração do documento.

“A expectativa é de que essa versão atenda de forma muito expressiva a expectativa de todos os que no país estão trabalhando a favor da construção da Base Nacional Comum Curricular. Essa é a nossa expectativa, conquistar a adesão, realizar da melhor maneira possível o desejo de convergência, de entendimento”, diz o secretário da SEB.

Em junho, o Conselho Nacional de Educação (CNE) recebe o texto final para avaliação.

Fonte: Portal do MEC

quarta-feira, 16 de março de 2016

Ministério da Saúde seleciona boas experiências de combate ao Aedes aegypti

O Brasil está mobilizado para o combate ao Aedes aegypti. Diferentes ações são desenvolvidas diariamente para envolver toda a população no controle do mosquito, que transmite a dengue, a chikungunya, além do vírus Zika, relacionado ao aumento de casos de microcefalia. O Ministério da Saúde quer reunir e divulgar essas experiências para que possam ser replicadas em todo o país. Para isso, lançou chamada para premiar as melhores iniciativas desenvolvidas por profissionais de saúde, prefeituras e pela sociedade civil. As inscrições dos relatos devem ser feitas até 3 de abril, no portal da Comunidade de Práticas (CdP).

O Ministério da Saúde espera dar visibilidade às iniciativas, com a promoção da troca de experiências com base no uso dos protocolos e outros documentos de apoio, sejam de dificuldades ou de soluções, e o fortalecimento da educação permanente em saúde. São três categorias, seguindo os eixos de trabalho do Plano Nacional de Enfrentamento ao Aedes aegypti e à Microcefalia: Mobilização e Combate ao Vetor; Cuidado (vigilância e atenção à saúde); e Desenvolvimento Tecnológico, Educação e Pesquisa.

A premiação está aberta a estudantes, trabalhadores, docentes, gestores e usuários do SUS do âmbito local, municipal, regional, estadual ou nacional, bem como pessoas ligadas a instituições e sociedade civil que desenvolvem experiências relacionadas ao combate ao Aedes aegypti, assim como o manejo das doenças causadas pelo vetor.

“O governo federal e seus diversos parceiros têm apresentado esforços para envolver toda a população brasileira no combate ao Aedes aegypti. Queremos valorizar as iniciativas de profissionais de saúde, servidores públicos e sociedade civil desenvolvidas em todo o território nacional”, explica o diretor de Gestão da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Alexandre Medeiros. 

Serão selecionados oito relatos, que terão divulgação completa em mídias da Comunidade de Práticas e de parceiros. Os três melhores terão a oportunidade de mostrar sua experiência pessoalmente, por meio de visita técnica ao Ministério da Saúde, em Brasília (DF), com custeio de passagens aéreas e diárias.

Clique aqui para acessar o regulamento e fazer a inscrição.

Saiba mais sobre a campanha Zika Zero promovida pelo Ministério da Educação.

Com informações do site http://combateaedes.saude.gov.br/ 

terça-feira, 15 de março de 2016

Abertas as inscrições para a Olimpíada de Língua Portuguesa

Estão abertas as inscrições para a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Podem participar da competição professores e estudantes de escolas públicas de turmas do 5º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio. O prazo segue até o dia 30 de abril.

Valorizando a interação das crianças jovens com seu meio, a quarta edição da Olimpíada adota o tema “O lugar onde vivo”. Assim, para escrever os textos, o aluno deve resgatar histórias, estreitar vínculos com a comunidade e aprofundar o conhecimento sobre a realidade. A proposta é estimular, também, o exercício da cidadania.

Nesta edição (2014), todo o processo de inscrição e adesão, digitalização dos textos selecionados na etapa escolar e avaliação nas demais etapas será realizado pela internet. O regulamento completo está disponível no endereço www.escrevendoofuturo.org.br.

Entre as categorias concorrentes, Poemas (para alunos do 5º e 6º ano do ensino fundamental), Memórias Literárias (para alunos do 7º e 8º ano do ensino fundamental), Crônica (9º ano do ensino fundamental e 1º ano do ensino médio) e Artigos de opinião (2º e 3º anos do ensino médio).

Além de um concurso que promove o desenvolvimento da competência escrita, a Olimpíada se propõe a contribuir para a melhoria das práticas didáticas escolas. Assim, se propõe a colaborar com formação dos educadores, principalmente por meio da distribuição dos materiais com orientações pedagógicas.

Premiação

O programa vai distribuir prêmios nas etapas estadual, regional e nacional a estudantes, professores e escolas públicas.

Os professores inscritos e os alunos autores dos 500 textos semifinalistas selecionados na etapa estadual receberão os seguintes prêmios: professor – medalha e cupom para retirada de um ou mais livros na livraria montada no local do encontro regional; aluno – medalha e cupom para retirada de um ou mais livros na livraria montada no local do encontro de semifinalistas.

Na etapa regional, serão distribuídos os seguintes prêmios: professor – medalha e um tablet; aluno – medalha e um tablet; escola participante – placa de homenagem.

Na etapa nacional, os professores inscritos e os alunos autores dos 20 textos selecionados na etapa nacional receberão os seguintes prêmios: professor – medalha, um notebook e uma impressora; aluno – medalha, um notebook e uma impressora; escola participante: 10 microcomputadores, uma impressora, um projetor multimídia, um telão para projeção e livros.

Fonte:
Portal Brasil com informações do Ministério da Educação

terça-feira, 8 de março de 2016

8 de março: Dia Internacional da Mulher

  “ Eu sou aquela mulher que fez a escalada da montanha da vida removendo pedras e plantando flores.” 
Cora Coralina


Nossa homenagem a todas as mulheres que lutaram e que lutam em todo mundo por dignidade, autonomia e liberdade.

Viva o 8 de março! Viva todas as MULHERES!


segunda-feira, 7 de março de 2016

MEC e tribunais de contas vão fiscalizar execução de metas dos planos de educação

Os planos de educação nacional, estaduais e municipais vão contar com acompanhamento de 34 tribunais de contas em todo o país. O acordo foi firmado nesta quinta-feira, 3, em Brasília, entre Ministério da Educação, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), a Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon) e o Instituto Rui Barbosa (IRB).

Para o ministro Aloizio Mercadante, o termo de cooperação com os órgãos de controle em todas as suas esferas aprimora a execução dos planos e o monitoramento da utilização dos recursos públicos aplicados em educação. “Permite uma análise qualitativa do gasto na educação e ajuda os gestores a melhorarem a aplicação dos recursos para a área”, ressaltou.

Além da padronização da metodologia de fiscalização, o acordo prevê, entre outras ações, o estímulo à transparência em relação aos recursos investidos em educação e a atuação integrada com os Ministérios Públicos da União e dos estados, envolvendo-os nas situações que exigirem a sua atuação.

“Estamos aqui para servir aos estudantes, principalmente os 40 milhões de alunos das escolas públicas. Com um olhar construtivo que aponte problemas e ajude a formular soluções”, destacou Mercadante. O ministro sugeriu a realização de seminários a partir desse trabalho nos municípios para construir e aprimorar as políticas públicas em nível nacional.

Até o início deste mês, 22 estados e exatos 5.482 municípios haviam sancionado seus planos de educação.

Os planos são documentos com força de lei, que estabelecem metas para que a garantia do direito à educação de qualidade avance nos próximos dez anos, abrangendo diferentes etapas de ensino, das creches às universidades.

A iniciativa firmada hoje começou a ser desenhada em meados do ano passado, durante evento realizado no MEC que debateu a fiscalização e o cumprimento das metas do PNE.

Conheça o PNE

Fonte: Portal do MEC

terça-feira, 1 de março de 2016

Olimpíada de matemática está com inscrições abertas até abril

Está aberto o prazo para que as escolas públicas de todo o país inscrevam seus alunos do sexto ao nono ano do ensino fundamental e do ensino médio na 12ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep). As inscrições podem ser feitas até 1º de abril.
A Obmep acontece em duas fases. Na primeira, os estudantes farão provas compostas de 20 questões objetivas, aplicadas nas próprias escolas inscritas. Cabe a cada escola participante fazer a correção das provas dos níveis 1 (sexto e sétimo anos do ensino fundamental); 2 (oitavo e nono anos do ensino fundamental) e 3 (ensino médio), com base em gabaritos enviados pela coordenação da Obmep, selecionando os alunos com melhor pontuação.
Os estudantes classificados para a segunda fase farão uma prova composta de seis questões dissertativas, onde devem expor os cálculos e o raciocínio utilizado nas respostas. As provas desta fase, que define o resultado final, são aplicadas em locais definidos pela coordenação da Obmep e corrigidas por professores indicados pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa).
A prova da primeira fase da Obmep 2016 será em 7 de junho, e da segunda fase, em 10 de setembro. No dia 30 de novembro, os resultados serão divulgados na página da Olimpíada na internet.
A 12ª edição da Obmep premiará 6.500 alunos (500 medalhas de ouro, 1.500 medalhas de prata e 4.500 medalhas de bronze), além de conceder cerca de 46.200 menções honrosas.
Aos medalhistas será oferecida a oportunidade de participar do Programa de Iniciação Científica Júnior (PIC-Obmep), que será realizado em 2017. O aluno com participação regular no PIC tem direito a uma bolsa de Iniciação Científica Jr. do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI).
Na página da Obmep, alunos, pais e professores poderão encontrar materiais didáticos para auxiliar na preparação dos estudantes, como bancos de questões e resolução, em vídeo, de provas de edições anteriores da Olimpíada.
Também são premiados pela Olimpíada professores, escolas e secretarias de educação de municípios que se destacam em virtude do desempenho dos alunos.
Organizada pelo Impa, a olimpíada tem como objetivo revelar e estimular talentos, além de incentivar o estudo da matemática. Em 2015, a competição teve a participação de mais de 47,5 mil escolas, localizadas em 99,48% dos municípios brasileiros, que inscreveram cerca de 18 milhões de alunos na primeira fase.
A Obmep é promovida com recursos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação, com o apoio da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM).
Fonte: Portal do MEC

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Escola de Pedras de Maria da Cruz (MG) mobiliza comunidade em combate ao Aedes aegypti

Escola Conceição Almeida Silva aderiu à campanha Zika Zero
A Escola Municipal Conceição Almeida Silva, localizada no município mineiro de Pedras de Maria da Cruz, aderiu à campanha lançada pelo Ministério da Educação para combater o mosquito Aedes aegypti e as doenças que ele provoca. No dia 19 de fevereiro, dia de mobilização nacional da educação pelo combate ao Aedes aegypti, professores, funcionários da unidade de ensino, alunos e a comunidade local participaram de atividades de conscientização sobre a importância de eliminar os criadouros do mosquito.

Ações de conscientização sobre o combate ao Aedes aegypti
contaram com a participação dos estudantes da EM Conceição
Almeida Silva
Promovidas pela Secretaria Municipal de Educação de Pedras de Maria da Cruz, as ações da campanha contra o Aedes aegypti incluíram oficinas e trabalhos desenvolvidos em sala de aula, bem como passeatas para mobilizar a comunidade. Durante as atividades, foram fornecidas orientações sobre as formas de prevenção dos focos que causam a proliferação do mosquito, além de esclarecimentos sobre dengue, chikungunya e zika. 



Alunos confeccionaram cartazes e promoveram passeata pela
cidade
A inspetora escolar Wilma Melo e Silva, representante da Secretaria Municipal de Educação, destacou a importância da sensibilização promovida por meio da campanha. “Através da sala de aula podemos também manter informada a juventude, as crianças, e elas levam para dentro de casa uma nova atitude. A maioria dos focos é encontrada nos domicílios, o que nos faz refletir sobre a responsabilidade do cidadão em inspecionar o quintal e a laje, verificar se a caixa d’água está coberta, eliminar todas as possibilidades do mosquito depositar os ovos”, ressaltou.

Zika Zero

Com a campanha Zika Zero, o Ministério da Educação pretende usar a abrangência das redes federal, distrital, estaduais e municipais de educação para levar informações sobre as formas de extermínio do mosquito e identificação da doença. Reforçada no início das aulas, a campanha de conscientização e orientação para o combate aos criadouros do mosquito vai continuar durante todo o ano nas redes educacionais do país. Saiba mais sobre a campanha Zika Zero.

Campanha de volta às aulas

Além de promover o combate ao Aedes aegypti, a equipe do Plano de Mobilização Social pela Educação do Ministério da Educação (PMSE/MEC) orienta os mobilizadores a incentivarem, nesse período de volta às aulas, a interação entre familiares e educadores para a melhoria do aproveitamento do ensino. Leia mais sobre a Campanha de Volta às Aulas e participe!

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Inscrições para Concurso Internacional de Redação de Cartas dos Correios vão até 17 de março

Os Correios recebem, até o dia 17 de março, inscrições para o 45° Concurso Internacional de Redação de Cartas, promovido pela União Postal Universal (UPU) em todo o mundo e organizado no Brasil pela estatal. Com o tema “Escreva uma carta a você mesmo aos 45 anos”, a iniciativa visa melhorar a alfabetização por meio da escrita, incentivando crianças e adolescentes a expressarem a criatividade.

Podem participar da edição 2016 estudantes de até 15 anos de idade, da rede pública e privada de ensino, que escreverem redações em formato de carta, à mão, em português, com caneta esferográfica preta ou azul e, no máximo, 900 palavras. O estudante deverá passar inicialmente por uma seleção em sua escola, que escolherá a carta que irá representá-la. Cada escola pode inscrever até duas redações.

Premiação – O Concurso Internacional de Redação de Cartas conta com duas fases: estadual, na qual o autor da melhor redação ganhará R$ 1.000 e a escola R$ 2.000; e nacional, em que o vencedor receberá R$ 5.000 e um troféu, além de representar o Brasil na etapa internacional, a ser realizada pela União Postal Universal. Na fase nacional, a escola recebe R$ 10.000.

Em 2015, cerca de 3.700 estudantes de 2.131 escolas públicas e particulares de todo o Brasil participaram do concurso. Leonardo Silva Brito, de Rondônia, foi o vencedor nacional e ficou com a medalha de bronze na fase internacional, em que o Brasil é o 2° país em número de vitórias, com três medalhas de ouro, atrás apenas da China, com cinco.

Confira aqui o regulamento completo da edição 2016.

Fonte: Blog dos Correios