quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Feliz Natal e Próspero Ano Novo !!!

Conselhos Tutelares recebem convite para Mobilização


A equipe da Mobilização Social pela Educação do Ministério da Educação (MEC) encaminhou convite a 3.975 Conselhos Tutelares de todo o País, com o objetivo de que esses órgãos participem das atividades, desenvolvidas em diversas localidades brasileiras, de conscientização das famílias para a importância do acompanhamento da vida escolar dos filhos. A iniciativa tem por finalidade reforçar ou dar início a ações que busquem melhorar a qualidade do ensino oferecido nas escolas das redes públicas.

Como resultado das postagens realizadas nos meses de novembro e dezembro de 2009, até o dia 23 de dezembro, mais de 70 Conselhos Tutelares responderam ao chamado do MEC, por meio do preenchimento do Formulário de Inscrição do Mobilizador. O instrumento foi encaminhado na correspondência e é disponibilizado, também, no blog da Mobilização Social pela Educação.

Até o dia 23, ainda, representantes de outros 430 Conselhos Tutelares entraram em contato, por telefone, com a equipe da Mobilização Social pela Educação do MEC, para obter informações e manifestar seu interesse em integrar as ações do Plano de Mobilização.

Além das informações e instruções sobre a Mobilização inseridas na correspondência de convite, os conselheiros têm sido orientados a procurar os mobilizadores que atuam em seus municípios; a agregar à Mobilização outras lideranças das comunidades, de órgão públicos e entidades organizadas da sociedade; a tomar conhecimento sobre a realidade da Educação; além de promover o compartilhamento da Cartilha Acompanhem a vida escolar de seus filhos, principal material de apoio à Mobilização disponibilizado pelo MEC.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Região do Vale do São Patrício amplia Mobilização em Goiás



A Mobilização Social pela Educação ganhou novas adesões e teve suas ações disseminadas na região goiana do Vale do São Patrício, neste segundo semestre de 2009. Como resultado das atividades promovidas pela mobilizadora Fátima José de Souza Oliveira, foram criados Comitês de Mobilização que reúnem representantes dos setores públicos e de diversos segmentos sociais nos municípios de Ceres, Carmo do Rio Verde, Itapaci, Ipiranga de Goiás, Nova Glória, Rialma, Rianápolis, Santa Izabel, São Patrício e Uruana.

A meta dos integrantes desses comitês é desenvolver atividades direcionadas às famílias, com a finalidade de que os pais sejam conscientizados a respeito da importância da participação na vida escolar dos filhos, para a melhoria da qualidade do ensino oferecido nas escolas das redes públicas da região.

A formação dos comitês foi definida durante reuniões e outras atividades promovidas em Ceres e nos demais municípios do Vale do São Patrício. Nesses eventos, foram elaborados planos de ações que incluem, para realização em curto prazo, contatos e convites direcionados às lideranças para integrar a Mobilização; definição de grupos de trabalho; e inserção da Mobilização nas agendas de atividades dos municípios. Em médio prazo, o planejamento prevê, entre outras ações para aprimorar a organização dos comitês, encontros de formação de agentes mobilizadores.

O planejamento de ações para realização em longo prazo inclui a formação de parcerias com instituições, lideranças comunitárias, do segmento religioso e da área educacional, além de representantes do Ministério Público e dos conselhos tutelares. Do mesmo modo, foram previstos o reforço no envolvimento das famílias na trajetória escolar dos filhos, o monitoramento de ações e a avaliação semestral do desenvolvimento das atividades.

Para direcionar suas ações, os Comitês de Mobilização tomam como base os dados do Ministério da Educação (MEC) referentes às unidades e redes de ensino no tocante ao Índice de Desenvolvimento da Educação (Ideb).

Novos mobilizadores

No município de Ceres, foram realizadas três reuniões neste segundo semestre. Os participantes desses eventos se propuseram a integrar o Comitê de Mobilização local. O prefeito de Ceres, Edmário Barbosa; o secretário municipal de Educação, Marcos Antônio Argolo; representantes dos conselhos Tutelar e Municipal de Educação; do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego), lideranças religiosas e de entidades organizadas da sociedade civil, como o Lions Clube fazem parte do comitê.

Participaram desses encontros mais de 50 lideranças e, em toda a região do Vale do São Patrício, quase 100 novos agentes realizaram sua inscrição como Mobilizadores Sociai s pela Educação.

Ações

O Lions Clube de Ceres participa do Plano de Mobilização Social pela Educação por meio de atividades realizadas no Clube das Mães para gestantes carentes e em empresas da comunidade.


Foram entregues mais de 350 Cartilhas Acompanhem a Vida Escolar dos seus Filhos no evento realizado pelo Comitê de Mobilização Social Pela Educação de Ceres, em parceria com a Secretaria de Ação Social, direcionado aos beneficiários do Programa Saúde na Família (PSF), do Programa Bolsa Família e do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI). As famílias foram envolvidas em uma atividade de reflexão sobre o conteúdo da publicação.

O Comitê tem a seguinte composição:


1 – Fátima José de Souza Oliveira – Coordenadora Geral do Comitê de Mobilização de Ceres (GO)
2 – Renata Dantas de Morais e Macedo – Promotora de Justiça da Comarca de Rialma (GO)
3 – Elaine Cristina de Araújo – Secretária Municipal de Educação – Rialma (GO)
4 – Alan Merigui – Pastor da Igreja Adventista do Sétimo Dia – Rialma (GO)
5 – Darci Marinho de Araújo – Padre da Igreja Nossa Senhora das Graças – Rialma (GO)
6 – Hélcio Ribeiro Maia – Pastor da Igreja Assembleia SETA – Rialma (GO)
7 – Daniel Dykstra – Pastor da Igreja Batista - Rialma (GO)
8 – Durval Basílio de Oliveira – Pastor da Igreja O Brasil para Cristo – Rialma (GO)
9 – José Carlos M. da Silva – Pastor da Igreja Quadrangular – Rialma (GO)
10 - Jorgina da C. Oliveira - Irmã da Congregação Salesiana - Rialma (GO)
11 - Adriano Henrique Santos - Pastor da Assembleia de Deus - Rialma (GO)
12 – Carlos Roberto Dias – Pastor Igreja para Cristo – Rialma (GO)
13 – Cláudia Dias Pereira – Diretora do Colégio Estadual Câmara Filho – Rialma (GO)
14 – Benta Gontyijo de Alencar – Diretora Colégio Polivalente Rui Barbosa – Rialma (GO)
15 – Arleusa Rodrigues Naves – Conselho Tutelar – Rialma (GO)



Com informações de Fátima Oliveira, representante do Comitê de Mobilização Social pela Edudação de Ceres (GO).

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

RJ: Comitê de Mobilização discute ações para 2010


Lideranças do Rio de Janeiro reúnem-se, na tarde desta quarta-feira, 16 de novembro, para deliberar sobre o planejamento de ações a serem implementadas no estado, a partir do próximo ano, pelo Comitê de Mobilização Social pela Educação. O encontro é promovido na sede da Representação do Ministério da Educação (REMEC/RJ), na capital fluminense.

Além dos membros do Comitê, foram convidadas para a reunião as lideranças locais que manifestaram interesse em integrar as atividades que vêm sendo desenvolvidas no Rio para conscientizar as famílias a respeito da importância do acompanhamento, por parte dos pais, na vida escolar dos filhos.

No convite para a reunião, o representante do Comitê Rio, professor Sergio Maia, destaca: “Estamos conseguindo fazer a Educação virar um tema de reconhecida importância no Brasil. Entretanto, sabemos que isso não é suficiente. Precisamos sair do consenso retórico e fazer com que a Educação alcance, de forma definitiva, o estágio de questão prioritária e urgente”.

Com informações do professor Sergio Maia, membro do Comitê de Mobilização Social pela Educação do Rio de Janeiro .

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Mobilizadores de Ubatuba instalam Comitê no bairro Ipiranguinha



Na próxima sexta-feira feira, 18 de dezembro, os membros do Comitê de Mobilização Social pela Educação do bairro Ipiranguinha, em Ubatuba (SP), realizam sua primeira reunião para planejamento de ações. O encontro será a partir das 20 horas, na Escola Municipal Mário Covas, localizada no próprio bairro.

A unidade de ensino também foi sede da atividade de instalaçã
o do Comitê, realizada no dia 09 de dezembro, com a participação de professores, funcionários, pais, alunos e autoridades ligadas à educação pública da cidade e região.

A reunião de anúncio da criação do Comitê do Ipiranguinha contou com a presença do servidor da Representação do MEC (REMEC/SP), João Nelson dos Santos; de membros da Diretoria de Ensino de Caraguatatuba e de conselhos tutelares; do bispo da Diocese de Caraguatatuba, dom Antônio Carlos Altieri; da representante do Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB), Izabel Gonçalves Gimeno Arpa; e do vereador de Ubatuba, José Mauro Pereira de Barros.

João Nelson dos Santos apresentou aos participantes da atividade alguns indicadores socioeconômicos e educacionais do município de Ubatuba. Ele destacou as ações promovidas pelo MEC com o intuito de melhorar o Índice de Desenvolvimento da Educação (Ideb) das escolas locais.

A instalação do Comitê no bairro Ipiranguinha foi articulada pelos membros do Comitê de Mobilização Social pela Educação do Litoral Norte, também sediado em Ubatuba. A decisão pela criação da instância foi tomada em conjunto com as lideranças do bairro que atuam em prol da melhoria dos índices sociais locais.

A abertura do evento foi realizada pelo professor Rui Alves Grilo, representante do Comitê Litoral Norte. Durante a atividade, ele expôs informações sobre o Plano de Mobilização Social pela Educação e apresentou à comunidade os demais membros do Comitê.

Rui Grilo ressaltou a importância da participação, no evento, de representantes de diferentes confissões religiosas. Ele lembrou que, na elaboração do Plano de Mobilização, o Ministério da Educação (MEC) contou com a colaboração e parceria de diferentes representações de âmbito nacional do segmento religioso. Por meio da adesão ao Plano e da atuação dessas e de outras lideranças, o Ministério têm alcançado as famílias na conscientização pertinente à importância da participação dos pais na vida escolar dos filhos, para a melhoria da qualidade do ensino oferecido nas escolas públicas.


O professor Rui Grilo também se dispôs a integrar o Comitê de Mobilização do Ipiranguinha que é composto, ainda, pelo diretor do Sindicato dos Bancários de Taubaté, Gerson Florindo de Souza; o padre Moisés do Nascimento; pela representante da Congregação das Irmãs Carmelitas do Divino Coração de Jesus, irmã Verônica Letícia; e a representante do Grupo Aberto à Infância e à Adolescência de Ubatuba (GAIATO), Celeste Martins Sebe.



Criação do Comitê foi
sugerida pela comunidade

A necessidade de criação do Comitê do Ipiranguinha havia sido discutida, durante reunião realizada no dia 18 de novembro, entre as lideranças do bairro e os membros do Comitê Litoral Norte. A demanda foi destacada pela irmã Verônica, que relata sua experiência no combate aos problemas sociais enfrentados pela população local.

A idéia de criação do Comitê ganhou apoio imediato da representante da Ong Gaiato, que desenvolve projetos com crianças e jovens em situação de risco, e do padre Moisés.

A irmã Verônica conta que, em conjunto com outros membros da comunidade, aproximou-se de uma das escolas do bairro, começou a participar das reuniões com alunos, professores e funcionários e tomou conhecimento sobre as dificuldades que a unidade de ensino enfrentava.

Entre outros obstáculos para o bom andamento do processo de ensino e aprendizagem, o grupo constatou que os conflitos sociais do bairro acabaram refletindo no cotidiano e nas relações de convivência no ambiente escolar.

Como forma de conhecimento e enfrentamento dessa realidade, os mobilizadores iniciaram um trabalho de visita à família dos alunos. A iniciativa teve repercussão positiva, em casos pontuais, na mudança de comportamento por parte dos estudantes no ambiente escolar.

Para a continuidade desse trabalho, no entanto, a irmã Verônica manifestou a necessidade de conquistar a adesão de novos mobilizadores. Assim, na reunião do dia 18, ela percebeu a oportunidade de retomada dessa atuação, por meio da reorganização da equipe de trabalho, através da instalação do Comitê de Mobilização no bairro Ipiranguinha.

Com informações de Rui Alves Grilo, membro dos Comitês de Mobilização Social pela Educação do Litoral Norte e do Ipiranguinha.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Mobilização alcança região Agreste da Paraíba


O Plano de Mobilização Social pela Educação alcançou a região do Agreste Paraibano. A solenidade de lançamento do Plano foi realizada no município de Pilões, na sexta-feira, 11 de dezembro, no Centro Padre Mateus, com a presença de representantes do poder público e de segmentos sociais, além de pais, estudantes e profissionais da educação.

O lançamento do Plano foi realizado durante o Encontro “Escola, família e comunidade na construção de uma escola cidadã”. A solenidade foi coordenada por integrantes do Comitê de Mobilização Social pela Educação da Paraíba e membros da Associação Serviço de Educação Popular (Seduc), em parceria com a Prefeitura de Pilões, a BrazilFondation e o Instituto HSBC Solidariedade.

Durante o evento, os participantes receberam informações sobre a Cartilha Acompanhem a vida escolar de seus filhos, publicação disponibilizada pelo Ministério da Educação como subsídio para a atuação dos mobilizadores e parceiros do Plano de Mobilização. Entre outras instruções, os convidados do Encontro foram orientados a utilizar a cartilha para reflexão sobre seu conteúdo junto aos pais, com o objetivo de que a famílias sejam sensibilizadas a respeito da importância de sua participação na vida escolar dos filhos, para a melhoria da qualidade do ensino nas escolas públicas.

Ideb das escolas municipais de Pilões

Na primeira avaliação do Índice de Desenvolvimento da Educação (Ideb), em 2005, as escolas municipais de Pilões registraram média de 1,6 nas séries iniciais do Ensino Fundamental. Nas séries finais, no mesmo ano, o Ideb foi de 2,5. Em 2007, o município apresentou evolução nessas médias que foram, respectivamente, 3,1 e 2,7. Para 2021, as escolas de Pilões projetam alcançar o Ideb de 4,3, nas séries iniciais, e de 4,5, nas séries finais.

Com infomações de Maria Azimar Fernandes e Silva, membro do Comite de Mobilização Social pela Edudação da Paraíba

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Prêmio Professores do Brasil

Iniciativa do Mec destaca ações em prol da melhoria da qualidade do ensino


Experiências pedagógicas criativas e inovadoras, desenvolvidas por professores de escolas públicas e que contribuem para a melhoria da qualidade da educação básica foram critérios considerados pelo Ministério da Educação (MEC) e por instituições parceiras para a seleção dos 35 vencedores do Prêmio Professores do Brasil. Realizada na última quinta-feira, 03 de dezembro, no auditório do edifício-sede do MEC, a cerimônia de premiação contou com a presença do ministro da Educação, Fernando Haddad.

Até sexta-feira, 04 de dezembro, os participantes do evento trocaram informações sobre suas experiências premiadas, durante o Seminário Professores do Brasil, também realizado em Brasília.

Nesta quarta edição do prêmio, foram contempladas, entre 1.027 experiências inscritas, sete ações desenvolvidas na educação infantil, oito nos anos iniciais do ensino fundamental, dez nos anos finais e dez no ensino médio.

O Prêmio é desenvolvido pelo MEC, em parceria com o Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed), a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) e a Organização dos Estados Ibero-Americanos para Educação, Ciência e Cultura (OEI).

Além da premiação de R$ 5 mil concedida aos professores autores das ações selecionadas, as escolas beneficiadas por estas experiências também foram contempladas com equipamentos audiovisuais ou multimídia, a critério de cada unidade de ensino, no valor de até R$ 2 mil.

Acesse aqui a relação dos premiados.

Leia mais sobre a Premiação no Portal MEC.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Memórias do Tempo de Escola


Estudantes dos anos finais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio de escolas da rede pública de 26 municípios situados em 13 estados onde o Grupo Votorantim tem unidades de negócio enviaram redações onde relatam lembranças de familiares ou pessoas de destaque em suas cidades sobre o tempo em que estudavam. O Instituto Votorantim, promotor do concurso, em parceria com o MEC e o Canal Futura, recebeu 547 inscrições no primeiro ano em que realiza o concurso.

O Concurso Tempos de Escola trouxe relatos de superação, coragem e confiança no futuro. Seu tema central foi a memória dos tempos de escola de figuras importantes para os alunos, como pais, professores ou pessoas da comunidade, com análise de fatos históricos da época e reflexões sobre a importância da vivência escolar em suas escolhas. A redação poderia ser complementada pela visão do aluno sobre a sua relação com a escola e pela análise do papel da escola na sua formação.

A iniciativa é uma das ações do Parceria Votorantim pela Educação, programa que o Instituto Votorantim está desenvolvendo com o apoio das unidades locais do grupo em mais de 300 municípios brasileiros. Tem o objetivo de promover a sensibilização e a mobilização de funcionários e comunidades onde o Grupo Votorantim atua, visando a melhoria da qualidade da educação As redações mostraram que a educação é um valor importante para as famílias desses estudantes.

Os estudantes colheram depoimentos de seus pais, avós, tios ou pessoas que eles consideram importantes para suas comunidades. E registraram relatos emocionantes das dificuldades obstáculos que maioria deles enfrentou para estudar. Eles lembraram que naquele tempo não havia escola para todos, nem merenda, nem transporte, nem livros didáticos, ou laboratórios de informática e biblioteca nas escolas. Muitas vezes precisavam caminhar vários quilômetros até chegar à escola mais próxima. E carregavam seus poucos materiais escolares em sacolas de arroz. Lembravam-se das palmatórias e do castigo ajoelhados em bagos de milho quando não sabiam a lição ou desobedeciam à professora. Mas todos convergiam na percepção da importância da educação.

Mesmo nos casos em que não tiveram a chance de prosseguir nos estudos, transmitiam aos filhos e netos a certeza de que estudar vale a pena, lembrando que hoje a situação é muito mais favorável a quem quer estudar.
Cada aluno vencedor receberá um diploma de participação e uma máquina fotográfica digital, sendo premiados ainda, conforme os critérios do regulamento, as respectivas escolas dos estudantes vitoriosos, além de seis professores orientadores destacados. Em alguns casos, a qualidade das redações levou ao empate, o que resultou na premiação de dois alunos na mesma categoria.

Saiba mais:http://www.blogeducacao.org.br

O Parceria Votorantim pela Educação é um projeto desenvolvido pelo Instituto Votorantim para promover a sensibilização e a mobilização de funcionários e comunidades onde o Grupo Votorantim atua, visando a melhoria da qualidade da educação.
A iniciativa articula agentes-chave locais, a fim de colocar a educação como prioridade na agenda dos municípios. Seu pressuposto é que consciência social gera compromisso, e compromisso gera pressão da própria sociedade por uma educação de qualidade. Para aglutinar e dar um sentido prático a essa mobilização, o Projeto Parceria Votorantim pela Educação vale-se de indicadores e ferramentas de gestão disponibilizadas pelo Ministério da Educação (MEC), que permitem uma visão ampla dos principais desafios da educação pública nos municípios, com planejamento de ações, prazos e recursos. O Projeto prevê reuniões, apresentações, ações de comunicação e formação de redes nas comunidades. Seu grande desafio é qualificar a demanda por educação, a fim de gerar capital social em torno do tema, como direito e como causa.

Dados sobre a Educação Básica já podem ser consultados no Censo Escolar

O Censo Escolar da Educação Básica de 2009 acaba de ser divulgado pelo Inep/MEC e aponta os seguintes dados:












Vale a pena conferir as informações detalhadas sobre esses e outros resultados.. Acesse:

- Relatório Técnico
- Tabelas Brasil, regiões e estados
- Consulta a matrícula por município

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Cartilha da Mobilização: segunda remessa anual chega aos municípios



Mais de 1,6 milhão de exemplares da Cartilha Acompanhem a vida escolar de seus filhos, principal material de apoio fornecido pelo Ministério da Educação (MEC) aos mobilizadores sociais pela educação para atuação junto às famílias, são distribuídos, nesse mês de dezembro, a 80 municípios em diversas localidades do País.

Em 2009, esta é a segunda remessa da publicação. A primeira foi realizada entre o final do mês de junho e início de julho. Agora, em dezembro, são contemplados todos os estados e o Distrito Federal.

Se você é mobilizador e pretende adquirir exemplares da cartilha para atuação em sua comunidade, encaminhe e-mail à equipe da Mobilização Social do MEC (mobilizacaosocial@mec.gov.br) para saber como contatar o responsável pelo recebimento da remessa de cartilhas, no município mais próximo de sua localidade.

Em razão de sua capilaridade de atuação, São Paulo é o estado com o maior número de municípios que vão receber a cartilha, ou seja, a publicação é enviada aos mobilizadores de nove cidades. O segundo é Minas Gerais, com sete municípios, seguido de Santa Catarina e Pernambuco, estes com cinco municípios cada.

A Cartilha Acompanhem a vida escolar de seus filhos foi elaborada por iniciativa do MEC e contou com a colaboração dos parceiros da Mobilização Social pela Educação na definição de seu conteúdo. Os agentes e parceiros da Mobilização tomam como base as dicas e orientações dispostas nesse material, referentes ao cuidado com a educação em casa e na escola, para promover reflexões sobre essa mensagem junto às famílias que possuam filhos nas escolas públicas.

A Cartilha da Mobilização é disponibilizada em meio impresso e eletrônico.

Acesse aqui a relação de municípios que recebem a Cartilha da Mobilização na etapa atual.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

SP: lideranças sociais participam de Oficina de Formação de Mobilizadores



Lideranças sociais que atuam no estado de São Paulo estão reunidas, nestes dias 27 e 28 de novembro, na Oficina de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação. A atividade é realizada na capital paulista, no Hotel Excelsior, com o objetivo de oferecer subsídios a esses agentes, para o trabalho de sensibilização das famílias em relação à importância da participação dos pais na vida escolar dos filhos.

A Oficina conta com a participação de representantes dos municípios de Itanhaém, Pindamonhagaba, Bauru, São José do Rio Preto, Penápolis, Maracaí, Pindamonhagaba, Marília, Assis, Jales, São José dos Campos, Ubatuba, Campinas e São José dos Campos.

Durante os dois dias atividade, os mobilizadores recebem orientações referentes aos principais programas e ações do Ministério da Educação (MEC) de apoio ao desenvolvimento do ensino nas escolas das redes públicas do País. São informados, ainda, sobre os sistemas de consulta de informações sobre a Educação disponibilizados no portal eletrônico do MEC, como as buscas referentes ao Índice de Desenvolvimento da Educação (Ideb); à Prova Brasil; e ao Plano de Ações Articuladas (PAR).

A partir do conhecimento dos índices educacionais que retratam a qualidade do ensino oferecido nas unidades e redes de ensino de suas localidades, os participantes da Oficina deverão traçaram o Plano de Ação para desenvolvimento da Mobilização em suas comunidades, com o objetivo de contribuir com a melhoria da qualidade do ensino nessas escolas.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Ilhéus amplia Mobilização no Sul da Bahia


Integrante do Comitê de Mobilização Social pela Educação da Bahia, a pedagoga Núbia Batista da Silva tem intensificado as ações, no município de Ilhéus e região, direcionadas ao envolvimento dos pais na vida escolar dos filhos. Esse empenho será reforçado nas próximas semanas com o envio, por parte do Ministério da Educação (MEC), de exemplares da Cartilha Acompanhem a vida escolar de seus filhos. O material subsidiará o trabalho local de reflexão junto às famílias, quanto à importância da participação na trajetória escolar dos estudantes, para a melhoria da qualidade do ensino oferecido nas unidades da rede pública de ensino.

Tendo em vista a ascendência de Núbia Batista, que é índia Tupinambá, a pedagoga tem concentrado sua atuação, entre outras temáticas ligadas à educação, aos assuntos pertinentes à formação escolar das comunidades indígenas. Do mesmo modo, tem reforçado as divulgações referentes à Mobilização Social pela Educação.

Nesta semana, ela participa da Conferência Estadual de Educação, realizada na Escola Parque, no bairro da Caixa D'Água, em Salvador. O evento teve início na noite da terça-feira, 24 de novembro, e se estende até o dia 27. Durante a programação desta quinta-feira (26), ela deverá acompanhar as discussões referentes à Educação Escolar Indígena e Territorialidade. O tema integra os debates sobre Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade.

Durante esta atividade ela deverá propor que a disseminação da Mobilização Social pela Educação seja feita tanto aos professores indígenas, quanto nas aldeias. “Nosso desafio é incluir as escolas indígenas na avaliação do Ideb”, pondera a pedagoga.

No início do mês de novembro, no dia 05, a pedagoga aproveitou sua participação na Reunião da Câmara Temática de Educação, realizada em Itabuna, para planejar, em conjunto com os demais participantes do evento, ações de Mobilização Social pela Educação direcionadas às famílias de 26 municípios que compõem o Território da Cidadania Litoral Sul. A câmara Temática da Educação possui coordenação colegiada com o Fórum de Educação do Campo e o Fórum de Debates da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), sediada em Ilhéus.

Nos dias 20 e 21 de outubro, a mensagem sobre a Mobilização foi divulgada aos participantes da Oficina Territorial de Educação - Políticas Educacionais: Desafios e Perspectivas, também realizada em Ilhéus, no Barra Vento Praia Hotel. Participaram desta oficina 54 representantes de entidades da sociedade civil, religiosas e de órgãos governamentais de 16 cidades do Sul e Baixo Sul da Bahia.

Ainda no mês de outubro, entre os dias 15 e 17, a pedagoga mobilizou os participantes do Fórum de Estadual de Educação Indígena, realizado na cidade de Pau Brasil, na Aldeia Indígena Caramuru. O evento serviu de espaço para discussão sobre as políticas públicas especificamente direcionadas a essa modalidade do ensino. Como resultado das reflexões promovidas durante o Fórum, foi proposta pelos participantes a realização de uma atividade de capacitação, de caráter estadual, referente à Mobilização Social pela Educação e que envolva escolas e populações indígenas da Bahia.

Atualmente, vivem, na Bahia, descendentes de 14 etnias indígenas: Pankararé, Pataxó, Pataxó Hã Hã Hãe, Kaimbé, Kiriri, Kantaruré, Tumbalalá, Tupinambá, Tuxá, Xucuru Kariri, Pankaru, Tupan, Atikum e Arikobé. O encontro, sediado no Município de Pau Brasil (13.048 habitantes, IDH 0.6), onde está localizado o território do povo Pataxó Hã Hã Hãe, foi a primeira iniciativa voltada à construção coletiva de uma política pública direcionada às especificidades da educação intercultural para estes povos.

Com informações de Núbia Batista da Silva, integrante do Comitê de Mobilização da Bahia.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Oficina sobre Mobilização reúne secretários e gestores de educação da região de Franca (SP)


Secretários de educação e gestores de 15 municípios da região Nordeste de São Paulo participam, nestes dias 23 e 24 de novembro, da Oficina de Capacitação de Mobilizadores Sociais pela Educação, realizada no Anfiteatro da Casa da Cultura da cidade de Restinga, antigo prédio da Estação Mogiana. A atividade de abertura, realizada na tarde desta segunda-feira, será coordenada pelo prefeito do município, Clarindo Ferracioli Belão. A Oficina é organizada pela secretária municipal de Educação de Restinga, Nize Lane Soares do Couto Rocha.

Inicialmente programadas para oferecer formação a voluntários de outros segmentos sociais, as Oficinas servem como espaço para apresentação de conceitos sobre educação, a organização do ensino nas redes públicas e as principais ações do Governo Federal direcionadas ao setor. A parte central da programação das Oficinas corresponde à discussão sobre o Plano de Mobilização Social pela Educação e à elaboração de planos específicos de trabalho que atendam às características e necessidades dos públicos-alvo de cada mobilizador.

Atualmente, as secretarias de educação têm solicitado a realização dessas oficinas e articulado a participação de representantes de municípios vizinhos no mesmo evento. Nesse formato, o trabalho é centrado na discussão sobre a interação escola/família, as responsabilidades bilaterais, o papel dos entes público e dos segmentos sociais e as possibilidades de articulação de parcerias entre os envolvidos e interessados pelo tema.

Nas oficinas direcionadas aos gestores é destacada, também, a necessidade de formação de uma rede de proteção social à criança, ao adolescente e suas famílias, o que envolveria a participação de órgãos governamentais, do Ministério Público e de entidades responsáveis pela proteção e garantia do bem estar nesta faixa etária. Outro ponto importante da agenda das oficinas corresponde à deliberação sobre estratégias e ações a serem implementadas por parte das secretarias, para mobilizar a sociedade pela educação.

Oficinas direcionadas a secretários municipais e demais gestores de Educação já foram realizadas em Nova Iguaçu e Belford Roxo, no Rio de Janeiro. Na capital mineira, Belo Horizonte, essas atividades envolveram gestores da região metropolitana e membros do Comitê de Mobilização. Do mesmo modo, foram realizadas oficinas, ainda, em Capivari de Baixo e Gravatal, no estado de Santa Catarina, com a participação de representantes de municípios da região de Laguna.

No início de 2010, a Secretaria Municipal de Educação de Campo Mourão, no estado do Paraná, deverá realizar uma Oficina preparada para receber representantes de municípios da região. No Pará, por sua vez, a demanda parte da Secretaria Estadual de Educação.

Plano de Mobilização é lançado em Campo Mourão - Paraná



Secretários de Educação de várias cidades que integram a Comunidade dos Municípios da Região de Campo Mourão (Comcam), no Paraná, participaram, no dia 17 de novembro, da palestra de lançamento do Plano de Mobilização Social pela Educação. O evento foi realizado no auditório da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) de Campo Mourão, por iniciativa da Secretaria de Educação da cidade.

A secretária de Educação de Campo Mourão, Rita de Cássia Cartelli de Oliveira, tomou conhecimento sobre a mobilização, os propósitos e as ações do programa, por meio da promotora do município, Rosana de Araujo de Sá Ribeiro Pereira. Ambas acordaram sobre a importância da realização do lançamento do Plano na região. A idéia obteve apoio, ainda, do prefeito de Campo Mourão, Nelson Tureck.

Na palestra de lançamento, a assessora especial do ministro da Educação, Linda Goulart, expôs a Lógica do Plano de Mobilização e apresentou um relato sobre as atividades que estão sendo desenvolvidas em todo o País, pelos diversos parceiros da mobilização, em prol do envolvimento das famílias em ações que possam contribuir com a melhoria da qualidade do ensino oferecido nas escolas das redes públicas.

A participação de representantes de diversos segmentos sociais no evento realizado no Paraná demonstrou o acerto na definição da Lógica do Plano de Mobilização que estabelece, a partir da adesão de representantes de diversos segmentos sociais, o processo de formação de uma rede social com o objetivo de garantir o direito de todos e cada um dos brasileiros a aprender e a escolher sua trajetória educacional.


A atividade reuniu, além de professores, gestores municipais da Educação e a promotora, a vice-prefeita e secretária da Mulher, Regina Bronzel Dubay, o diretor da UTFPR de Campo Mourão, Narci Nogueira da Silva e o Vereador José Pochapski. Em seus pronunciamentos, todos manifestaram apoio à implantação do Plano de Mobilização Social em Campo Mourão e convocaram as autoridades dos municípios vizinhos a aderirem ao movimento.

Estiveram presentes os secretários de educação de Araruna, Campina da Lagoa, Farol, Goioêre, Mamborê, Nova Cantu, Nova Tebas, Peabiru e Pitanga. Participaram da atividade, também, diretores de escolas, professores dos municípios e alunos da UTFPR.

O prefeito Nelson José Tureck enfatizou, durante o evento, a responsabilidade de todos os cidadãos em trabalhar por uma educação de qualidade para todos. Lembrou, ainda, que prefeitos, secretários e vereadores têm importante papel a desempenhar no esforço de envolvimento da sociedade na valorização da educação e conseqüente melhoria do Índice de Desenvolvimento da Educação (Ideb) local.



Ainda na solenidade de Lançamento do Plano, a secretária Rita de Cássia firmou compromisso em organizar a Oficina para Capacitação de Mobilizadores, no próximo ano, com o objetivo de envolver gestores, diretores e professores das redes de educação da Concam na discussão sobre a interação escola/família, para a melhoria da qualidade do ensino público na região.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Lideranças da Mobilização apresentam balanço de ações

Justificar

Mobilizadores que representam diversos estados do Brasil participam, nesta quarta e quinta-feira, 11 e 12 de novembro, do Encontro de Lideranças do Plano de Mobilização Social pela Educação. O evento é realizado em Brasília, com o objetivo de promover espaço para o levantamento e a troca de informações referentes às atividades que vêm sendo desenvolvidas em todo o País para conscientização das famílias a respeito da importância da participação dos pais na vida escolar dos filhos.

Por meio da troca de experiências, os representantes de cada estado podem avaliar as formas de mobilização que vêm sendo aplicadas em outras regiões do País e, do mesmo modo, verificar a possibilidade de replicação dessas boas práticas em suas localidades.

Neste primeiro dia de atividades, as exposições são referentes às ações realizadas nos estados de São Paulo, do Pará, Paraná, Rio de Janeiro, de Minas Gerais, da Paraíba, do Amazonas e da Bahia. Na quinta-feira, será a vez dos estados de Goiás, do Ceará, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Piauí, de Roraima, Alagoas e do Distrito Federal apresentarem seus balanços de ações voltadas à Mobilização Social pela Educação.

Entre vários destaques de atividades apresentados pelas lideranças neste primeiro dia do Encontro, os grupos que fizeram exposições foram unânimes em ressaltar a ampliação da Mobilização Social pela Educação em todo o País. O alcance da Mobilização foi apontado, ainda, como instrumento para superação dos desafios que têm refletido nos registros do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) em cada região.

Lideranças da Mobilização em Franca e Restinga, no estado de São Paulo, Nize Lane Soares do Couto Rosa, sugeriu aos colegas participantes do Encontro uma reflexão sobre a relação entre o crescimento da Mobilização e o compromisso dessas ações com a melhoria da qualidade da educação. “Vamos buscar o equilíbrio entre o crescimento do trabalho e a melhoria do ensino. Vamos direcionar nossas ações de modo que os resultados apareçam na próxima avaliação do Ideb”, ponderou Nize Lane.



terça-feira, 10 de novembro de 2009

Comitê do Amapá lança Plano de Mobilização e Conferência Estadual de Educação


O Ministério da Educação, o Governo do Amapá e o Comitê de Mobilização local realizam, nesta terça-feira (10), a solenidade de lançamento simultâneo do Plano de Mobilização Social pela Educação – interação Família/Escola - e da Conferência Estadual de Educação. O evento é realizado no Teatro Bacabeiras, na capital Macapá.

O Amapá é o primeiro estado brasileiro a declarar a Mobilização Social pela Educação como ação inserida nas atividades do governo estadual. Integram o Comitê local de Mobilização representantes de 44 entidades e órgãos públicos e de segmentos organizados da sociedade civil.

Representantes da Secretaria de Estado da Educação (SEED); de secretarias municipais de educação da capital e do interior; da Universidade Federal do Amapá (Unifap) e Universidade do Estado do Amapá (Ueap); e do sistema S, entre outros, compõem o Comitê que deverá realizar, na tarde desta terça-feira, sua primeira reunião deliberativa.

A Conferência Estadual de Educação lançada hoje será realizada de 24 a 27 de novembro de 2009, na Unifap. Durante o evento será cumprida etapa preparatória para a Conferência Nacional de Educação (Conae) que será realizada de 28 de março a 1º de abril de 2010, em Brasília-DF, com as finalidades de construir o Sistema Nacional Articulado de Educação e definir as diretrizes e estratégias do Plano Nacional de Educação.

Comitê de Mobilização do Amapá divulga mensagem às famílias

No material impresso referente à programação dos lançamentos do Plano e da Conferência, o Comitê de Mobilização divulga a mensagem à sociedade amapaense para reflexão sobre a importância da participação da família na vida escolar dos filhos.

“Família e Escola são, reconhecidamente, duas das mais importantes instituições responsáveis pela formação de um povo. Com as mudanças econômicas e sociais, esta responsabilidade, principalmente por parte da família, tem sido afetada cada vez mais. O trabalho e outras atividades têm consumido o tempo dos pais que se vêem incapazes de educar seus filhos, atribuindo este papel - exclusivamente - à escola”, expõe o Comitê.

“Buscar parceria entre as instituições, criando uma rede de colaboração e diálogo, inserindo a comunidade e demais instituições da sociedade, a fim de garantir a permanência, o aprendizado e o desenvolvimento das crianças, adolescentes e jovens na escola, é a alternativa mais viável para a melhoria da qualidade do ensino em nosso País”, concluem os membros do Comitê.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Pernambuco amplia Mobilização



O Pastor Altair Germano, de Pernambuco, encaminhou à equipe da Mobilização Social pela Educação do MEC imagens das atividades desenvolvidas, neste semestre, por pastores da Assembléia de Deus em três municípios do estado.


No município de Igarass
u, no Litoral Norte, o pastor Émerson Gomes distribuiu a Cartilha Acompanhem a vida escolar de seus filhos aos pais, e promoveu reflexão com as famílias a respeito do conteúdo da publicação.


Em Afogados da Ingazeira e Quixaba, municípios do Sertão, as mobilizações sociais pela Educação foram lideradas pelo pastor André Luiz.







Nessas localidades, as famílias também foram conscientizadas a respeito da importância da participação dos pais na vida escolar dos filhos.

Nos três municípios, as ações envolveram cerca de 400 fiéis.

Com informações do pastor Altair Germano, mobilizador em Pernambuco.

Dia histórico para a educação do país

Nem todos perceberam a importância para a educação da aprovação pelo Senado Federal de Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 277/08 no mês passado. A emenda
dispõe sobre o fim da Desvinculação de Receitas da União (DRU) para a educação. A revinculação dos recursos passa a contar retroativa a janeiro. Com o fim da DRU para a educação, o MEC passará a contar com cerca de R$ 9 bilhões a mais por ano em seu orçamento. A redução será gradativa ao longo de três anos, até sua extinção total em 2011.
A DRU retirava 20% dos recursos destinados à educação, provenientes de arrecadação de tributos e contribuições federais. Com a aprovação do texto, em 2009 e 2010 serão descontados 12,5% e 5%, respectivamente. Em 2011, não haverá mais a incidência da DRU na educação
Outra medida importante aprovada no texto, que será promulgado pelo Congresso Nacional é a que torna obrigatório o ensino dos quatro aos 17 anos de idade, ou seja, da educação infantil ao ensino médio. Com essa medida, espera-se um aumento na escolaridade do brasileiro, que, em 2006, era de 7,3 anos. Os dados mostram, também, que menos de 50% dos jovens brasileiros entre 15 e 17 anos estão cursando o ensino médio. Com a obrigatoriedade, tanto os sistemas quanto as famílias deverão adotar medidas para manterem os estudantes na faixa etária de 4 a 17 anos na escola. Os ganhos para o país a médio prazo devem ser expressivos. Estados e municípios terão prazo até 20016 para sua implementação
Não sem razão, o ministro Fernando Haddad definiu a aprovação como um dia histórico para a educação do País.

Pará busca consolidar mobilização no Estado


O Comitê de Mobilização do Pará têm intensificado suas atividades em prol da conscientização das famílias a respeito da importância da participação dos pais na vida escolar dos filhos, para o melhor aproveitamento do ensino e conseqüente melhoria da qualidade da educação. O movimento foi reforçado após o lançamento do Plano de Mobilização Social pela Educação e realização da Oficina de Formação de Mobilizadores, no mês de outubro.

O lançamento do Plano foi realizado na noite do dia 20 de outubro, na capital do estado, Belém, na sede da Catedral Anglicana de Santa Maria, localizada no Bairro de Batista de Campos. A atividade foi promovida pelo Ministério da Educação (MEC), em conjunto com os parceiros locais do Plano que compõem o Comitê Local de Mobilização.

O Comitê de Mobilização Social pela Educação do Pará é formado por representantes de vários segmentos da sociedade civil e religiosa que têm inserido em suas agendas ações direcionadas à melhoria da educação nas escolas públicas locais.

A programação de lançamento do Plano no Pará foi complementada por atividade de divulgação da Cartilha Acompanhem a vida escolar de seus filhos, produzida pelo MEC. A exposição foi conduzida pela assessora especial do ministro da Educação, Linda Goulart.

Oficinas de Formação de Mobilizadores

Nos dias 21 e 22 de outubro, os mobilizadores do Pará participaram, também, da Oficina de Formação realizada no Hotel Beira Rio.

Durante a atividade, a professora Linda Goulart expôs os principais programas do Governo Federal de apoio à melhoria do ensino no País. A apresentação foi composta, ainda, por dados do MEC que refletem a realidade da educação no Brasil e, especificamente, no Pará.

A explanação abriu espaço para reflexão a respeito das ações que podem ser desenvolvidas no estado para a melhoria da qualidade da educação, por meio do alcance das metas referentes ao Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

Integrante da equipe que coordena a Mobilização Social pela Educação no MEC, Rafael Ferrari conduziu, durante o segundo dia de Oficina, a exposição referente ao site e ao Blog da Mobilização e, do mesmo modo, sobre o acesso às informações pertinentes à Educação disponibilizadas nos Sistemas de Consulta do Portal eletrônico do MEC.

Com informações do Comitê de Mobilização do Pará

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Comitê de Uruaçu/GO leva a Mobilização a municípios vizinhos



A Câmara de Vereadores de Alto Horizonte, município localizado na região norte de Goiás, vai sediar, no dia 11 de novembro, a atividade de apresentação do Plano de Mobilização Social pela Educação. A exposição terá início às 19 horas e será conduzida pelo coordenador do Comitê de Mobilização de Uruaçu, padre Francisco Agamenilton Damascena.


Conquistar novos mobilizadores e parceiros para o Plano nas cidades vizinhas é uma das ações programadas pelos integrantes do Comitê de Mobilização Uruaçu. No dia 17 de outubro, o município também reuniu suas lideranças sociais para o lançamento local do Plano de Mobilização. O evento foi realizado no auditório do Memorial Serra da Mesa, às margens do Lago Serra da Mesa, com expressiva participação da comunidade.

Após a atividade realizada em Uruaçu, o padre Agamenilton apresentou o Plano de Mobilização Social pela Educação a dois outros municípios: em Pirenópolis, aos vereadores da cidade; e em Campinaçu, a um grupo de professores.

Como resultado de duas reuniões do Comitê de Mobilização Uruaçu também promovidas após o lançamento do Plano, o grupo escolheu duas escolas para concentrar suas as primeiras atividades: Escola Estadual Aeroporto e Escola Municipal Enéas Fernandes de Carvalho. Nessas unidades, o público alvo da mobilização é a família dos alunos.

O Comitê inseriu em seu projeto de trabalho, ainda, a atuação em postos de saúde, instituições religiosas e no comércio, com o objetivo de fazer com que a mensagem sobre a Mobilização Social pela Educação alcance os pais. “Entendemos que os pais não vão às escolas, mas vão a um destes setores”, explica o padre Agamenilton lembrando que os mobilizadores de Uruaçu vão reunir representantes dos segmentos mencionados com a finalidade de conquistar a adesão de novos agentes mobilizadores.

Lançamento do Plano de Mobilização em Uruaçu

Durante o lançamento do Plano de Mobilização em Uruaçu, a assessora especial do Ministério a Educação (MEC), Linda Goulart, realizou exposição de dados a respeito do ensino público no País e apresentou informações sobre os principais programas e políticas públicas de apoio ao desenvolvimento da educação e de melhoria da qualidade do ensino. Destacou, ainda, as diretrizes do Plano de Mobilização como instrumento para superação dos desafios postos à educação brasileira e para garantia do direito ao ensino de qualidade.

A explanação referente à situação educacional local foi feita pelo secretário Municipal de Educação de Uruaçu, André Luis da Silva. A apresentação à comunidade dos integrantes do Comitê de Mobilização e sobre o trabalho do grupo ficou a cargo do padre Agamenilton.

O lançamento do Plano em Uruaçu contou com as presenças da subsecretária Estadual de Educação, Dânia Solange Wobeto de Freitas; do secretário Municipal de Educação, André Luiz da Silva; do presidente da Câmara Municipal, Francisco Carlos de Carvalho; do vereador, Noraldino Antônio dos Reis; do promotor de Justiça, Afonso Antonio Gonçalves Filho; da diretora da Universidade Estadual de Goiás (UEG) – Unidade Uruaçu, Marly Garcia Carrijo; e do diretor do Instituo Federal de Goiás (IFG) – Campus Uruaçu, Ubaldo Eleutério da Silva.

O evento também contou com a participação do vigário geral da Diocese de Uruaçu, padre Antonio Teixeira Sobrinho, que representou o bispo diocesano, Dom Messias dos Reis Silveira. A atividade foi acompanhada, ainda, pelo presidente do Conselho de Ministros Evangélicos de Uruaçu, pastor Enilson de Jesus Tavares Ribeiro; e por representantes das famílias e dos estudantes do município.

Membros do Comitê de Mobilização de Uruaçu/GO

Padre Francisco Agamenilton Damascena
Pastoral da Educação - Igreja Católica

Dânia Solange W. de Freitas
Subsecretária Estadual de Educação

Prof. André Luis da Silva
Secretário Municipal de Educação de Uruaçu

Rodrigo Gabriel Moisés
Presidente do Conselho Municipal de Educação

Woyne Henrique Martins
Presidente da Associação de Moradores do setor Aeroporto

Zila da Penha Siqueira Coimbra
Projeto Conviver

Adson Rodrigues Ferreira
Presidente da Associação de Moradores do Setor Oeste

Pastor Noraldino Antônio dos Reis
Vereador de Uruaçu

Elsa Dutra dos Santos
Pastoral da Educação – Igreja Católica

Joscelina Borges de O. Santana
Pastoral da Educação – Igreja Católica

Lázara Caetana Fernandes
Secretária da Associação de Moradores do Setor Oeste

Edna Liberato Vieira Guimarães
Assembléia de Deus

Com informações do padre Francisco Agamenilton Damascena, representante do Comitê de Mobilização de Uruaçu

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Paraíba: Comitê de Mobilização intensifica atividades


O Comitê de Mobilização da Paraíba promoveu, nesta quinta-feira (05), encontro com integrantes da Diocese e da Regional de Ensino do município de Patos/PB para planejar as ações locais relacionadas às diretrizes do Plano de Mobilização Social pela Educação. A próxima agenda do Comitê está programada para o dia 10 de dezembro e deverá envolver lideranças sociais do município de Monteiro.

A comunidade de Monteiro foi convidada a integrar as ações do Plano durante atividade realizada no dia 20 de outubro. A adesão das lideranças do município de Patos ao Plano, por sua vez, foi consolidada durante o Seminário “Educação Infantil – perspectivas políticas e pedagógicas: desafios em grandes cidades”, que reuniu, em Recife, no dia 23 de outubro, especialistas em Educação e representantes de secretarias municipais de educação de diversas localidades da Região Nordeste.

No dia 03 de outubro, o Plano de Mobilização foi apresentando pelos membros do Comitê aos membros da Diocese e da Regional de Ensino do município de Cajazeiras, no extremo sertão paraibano. Os participantes receberam informações sobre a realidade da Educação local e nacional e refletiram sobre o conteúdo da Cartilha Acompanhem a vida escolar de seus filhos.

Com informações de Azimar Fernandes, do Comitê de Mobilização da Paraíba.

Mobilização alcança novas comunidades em Franca/SP


O mês de outubro foi marcado por duas importantes atividades de Mobilização Social pela Educação realizadas na cidade de Franca, no estado deo Paulo. Nos dias 05 e 06 de outubro, as ações envolveram integrantes de comunidades escolares e religiosas.

No dia 06 de outubro, professores, coordenadores e as famílias de alunos das escolas pertencentes à Diretoria de Ensino de Franca participaram de um encontro realizado nas dependências do Centro Universitário de Franca (Uni-FACEF). A atividade foi coordenada pelos integrantes do Comitê de Mobilização Social pela Educação de Franca, em parceria com a equipe da Pastoral da Educação.

Tendo com tema central “A Transformação pessoal”, a programação do encontro contou a participação da psicóloga da cidade de Orlândia, Esther Serrano Francischini, que proferiu palestra sobre "Bullying*1 - O que é e como lidar no ambiente escolar".


A abordagem, segundo a mobilizadora de Franca, Nize Lane Soares do Couto Rosa, é muito importante na atualidade, pois, o Bullying tem sido fator predominante, não só nas escolas como em outros ambientes onde nossas crianças, adolescentes e jovens têm frequentado.

“Ele é uma das grandes causas, não só da indisciplina, como também da não aprendizagem. É necessário que todos os envolvidos com a educação - diretores, coordenadores, professores, funcionários e pais - fiquem atentos a estas manifestações, pois, pela repetição e intensão, o Bullying revela uma violência que está sempre ocorrendo nos grupos sociais e, muitas vezes, passa despercebido”, pondera.

Nize Lane lembra, ainda, em relação ao contexto da preocupação com a melhoria do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), que a abordagem sobre o tema ofereceu esclarecimentos muito importantes aos participantes. “Pode-se melhorar a educação quando se observa o porquê do aluno não estar aprendendo e as dificuldades do estudante em assimilar o que lhe é ensinado ou transmitido”, reflete.

Mobilização na igreja

No dia 05 de outubro, a professora Nize Lane participou da reunião promovida com as famílias que integram a paróquia Nossa Senhora das Graças, também em Franca. A atividade foi realizada a convite do pároco Frei Antônio Benedito Stefani.

Participaram da reunião representantes das pastorais e dos movimentos e grupos de catequese. Durante o encontro a professora expôs as diretrizes do Plano de Mobilização Social pela Educação do Ministério da Educação, destacando que esse projeto foi construído, inicialmente, a partir do Plano elaborado pela igrejas cristãs.


A professora ressaltou às famílias a importância da presença dos pais na trajetória de estudos dos filhos. Os pais fizeram vários questionamentos, demonstraram entusiasmo para divulgar o Plano de Mobilização em suas comunidades, manifestaram encantamento em relação ao conteúdo da cartilha Acompanhem a vida escolar de seus filhos e fizeram declarações de reconhecimento quanto à responsabilidade das famílias em relação ao aproveitamento escolar.

Frei Dito, como é carinhosamente chamado pelos paroquianos, já participou de várias reuniões e encontros realizados pelo Comitê de Mobilização de Franca, juntamente com a equipe Diocesana da Pastoral da Educação. É um grande adepto e incentivador do Plano de Mobilização Social pela Educação.

*1 Bullying é um termo inglês utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo (bully ou "valentão") ou grupo de indivíduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro indivíduo (ou grupo de indivíduos) incapaz(es) de se defender. Também existem as vítimas/agressoras, ou autores/alvos, que em determinados momentos cometem agressões, porém também são vítimas de bullying pela turma.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Bullying

Com informações da professora Nize Lane, do Comitê de Mobilização de Franca/SP

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Gestores da educação e lideranças sociais participam de Oficinas de Capacitação em BH



Representantes de diversos segmentos sociais e gestores da área educacional de Belo Horizonte participam, nesses dias 04, 05 e 06 de novembro, de Oficinas de Capacitação de Mobilizadores Sociais pela Educação. As atividades são realizadas na capital mineira, no Auditório Paulo Freire da Secretaria Municipal de Educação.

Nesta quarta-feira, 04, a Oficina de Capacitação foi direcionada à orientação das lideranças que aderiram às ações do Plano de Mobilização Social pela Educação em Minas Gerais e, do mesmo modo, têm buscado despertar a sociedade local para o compromisso de todos e cada um dos brasileiros com a garantia da educação de qualidade para crianças e jovens.

Nos dias 05 e 06, quinta-feira e sexta-feira, a Oficina de Capacitação reúne gestores e demais integrantes de secretarias municipais de educação da região metropolitana de Belo Horizonte para discussão sobre a continuidade das ações que vêm sendo desenvolvidas na região relacionadas ao Plano de Mobilização.

As oficinas contam com a participação de integrantes do Comitê de Mobilização Social pela Educação de Belo Horizonte, em funcionamento desde 14 de abril de 2009. Para conhecer as ações que vêm sendo desenvolvidas pelo grupo, acesse o Blog: http://mobilizacaosocialpelaeducacaobhmg.blogspot.com.

Mobilizadores de Floriano (PI) discutem formação de comitê local


Mobilizadores do município de Floriano (PI) participam, nesta quarta-feira (04), de reunião para planejar a formação de Comitê local de Mobilização Social pela Educação. Durante o encontro, serão discutidas as ações que o grupo deverá promover com o objetivo de conscientizar a comunidade em relação à importância da participação dos pais na vida escolar dos filhos, para a melhoria do aproveitamento do ensino.

No dia 25 de outubro, os mobilizadores de Floriano realizaram uma atividade relacionada ao tema, no município de Padre Marcos, para sensibilizar cerca de 400 participantes da Convenção Regional da Assembléia de Deus. Durante a programação, foram apresentadas as diretrizes do Plano de Mobilização Social pela Educação. Os participantes também receberam exemplares da cartilha Acompanhem a vida escolar de seus filhos e foram incentivados a criar comitês em suas respectivas comunidades.

Com informações do Pastor Mateus Francisco Chagas Silva, mobilizador.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Motivação de professores é estratégia de Iporã do Oeste/SC para manter Ideb elevado



O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) registrado nas escolas municipais de Iporã do Oeste, em Santa Catarina, no ano de 2007, foi de 6,5 nos iniciais do Ensino Fundamental. Nas séries finais, o índice foi de 5,4. O patamar é atribuído pelo secretário Municipal de Educação, Desporto, Cultura e Turismo, Nereu José Barth, entre outros fatores, ao compromisso por parte dos professores em relação à educação e às ações de apoio e estímulo direcionadas pelo órgão aos docentes, com o objetivo de melhorar a qualidade do ensino oferecido nessas unidades.

Com cerca de 8 mil habitantes, a cidade conta com duas escolas municipais que possuem turmas de 1ª à 8ª série do Ensino Fundamental e outras duas que oferecem Educação Infantil. Cerca de 1010 alunos são atendidos nessas unidades.

Para explicar o Ideb elevado, o secretário pontua a reserva de horário para planejamento das aulas como fator preponderante. “20% da carga horária são destinados para que o professor pense sobre o conteúdo a ser trabalhado e elabore seu planejamento. Essa atividade é feita na escola, durante o horário de aula. Enquanto o professor faz esse programa, seus alunos são acompanhados por outros professores no desenvolvimento de conteúdos sobre Língua Inglesa, Informática e Artes, entre outros”.

Outros fatores de incentivo aos professores e que resultam na boa qualidade do ensino, segundo Nereu José Barth, são a estrutura de funcionamento disponibilizada pela Secretaria de Educação às escolas e a motivação para envolvimento dos docentes em atividades que atraiam a atenção e a participação das famílias para o cotidiano escolar dos alunos.

Na última semana, cerca de 400 pais e mães participaram da Noite Cultural promovida pela Secretaria de Educação para incentivar, entre outras finalidades, a ambientação das famílias com o cotidiano da escola. Durante a atividade, além de acompanhar a programação festiva, as famílias foram conscientizadas a respeito da importância da participação na trajetória escolar dos filhos para o aproveitamento do ensino. “Em atividades semelhantes a essa percebemos que as famílias se sentem ‘mais em casa’, ou seja, mais a vontade com o ambiente escolar”, reflete o secretário.

Avaliação da Prova Brasil em Iporã do Oeste

O Ideb é um indicador calculado a partir dos dados sobre aprovação escolar, obtidos no Censo Escolar, e das médias de desempenho nas avaliações do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) - para as unidades da federação e para o país -, e da Prova Brasil – para os municípios. O levantamento de dados estatístico-educacionais do Censo Escolar, as avaliações do Saeb e da Prova Brasil são realizados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep/MEC).

Em 2007, o conjunto de escolas municipais de Iporã do Oeste obteve médias acima da nacional na avaliação da Prova Brasil.

Na 4.ª série, 49 alunos de escolas municipais participaram da avaliação. Eles registraram média 212,63, em Língua Portuguesa, e de 252,96, em Matemática. A média brasileira para a 4.ª série das escolas municipais daquele ano foi de 172,35, em Língua Portuguesa e de 190,06, em Matemática.

Na 8ª série, 45 estudantes fizeram a Prova Brasil em Iporã do Oeste, no ano de 2007. Em Língua Portuguesa, eles obtiveram média 267,07 e, em Matemática, 278,99. A média brasileira dos alunos da 8.ª série das escolas municipais, em 2007, foi de 226,15, em Língua Portuguesa e de 237,58, em Matemática.

Os indicadores educacionais, de acordo com os dados disponibilizados pelo Censo Escolar no período de divulgação dos resultados da Prova Brasil, em 2007, apontaram que o município alcançava 97,7 % de aprovação dos alunos.

O Censo Escolar registrava, ainda, que 96,9 % dos docentes possuíam formação em nível superior e que a taxa de distorção idade-série era de 8,4%.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Visitas de professores fazem com que alunos e pais sintam-se em casa


The Boston Globe, 23/10/2009

James Vaznis
A menina já estava de pijama quando os seus professores do jardim de infância chegaram em uma noite límpida, neste mês, trazendo presentes: um livro de colorir, um quadro para escrever e uma sacola cheia de ímãs revestidos de plástico com formato de letras do alfabeto. Mas Megan Coyne, de três anos de idade, não sentiu-se tentada pelos presentes. Tomada de uma timidez súbita, ainda que passasse seis horas por dia com as professoras, a garota ficou no vestíbulo, atrás da mãe, com os braços apertados em torno das pernas desta. "O seu pijama está cheio de desenhos de sapos", disse com um sorriso tranquilizador a sua professora, Pam Richardson, da Escola Piloto da Academia Lee, no bairro de Dorchester, em Boston. "Megan não comeu muito no almoço. Ela estava com fome quando veio para casa?". Richardson faz parte do grupo de dezenas de professores da escola primária e secundária de Boston e Springfield que estão visitando as famílias dos alunos neste ano, com o objetivo de encorajar a participação voluntária dos pais nas reuniões da escola e o envolvimento com a educação das crianças em casa, bem como de acabar com qualquer concepção errônea que pais e professores possam ter uns em relação aos outros.

A prefeitura de Boston, que está trabalhando em parceria com a Universidade Harvard, deu início ao seu programa dois anos atrás e o expandiu para cinco escolas de ensino fundamental. A iniciativa surgiu após o exemplo de Springfield, que há cerca de cinco anos criou - como parceria entre o sindicato municipal dos professores, uma escola de segundo grau e o Projeto Vale Pioneiro - um grupo de organização de comunidades que trabalha em contato próximo com os pais. O programa encontra-se atualmente ativo em sete escolas, incluindo uma de segundo grau. O alcance do programa - que neste ano chegou a várias centenas de famílias - faz parte de uma estratégia nessas duas cidades para reverter uma tendência de redução da participação dos pais. Em ambos os distritos, os pais raramente aparecem nas reuniões da organização de pais e alunos, conferências de professores e outras atividades em várias escolas. Em alguns casos, eles estão ocupados demais, trabalhando em vários empregos, não têm transporte para ir até à escola ou sentem-se intimidados para falar com os professores devido à baixa instrução ou a uma experiência ruim pela qual passaram quando eram alunos. Em Boston, muitos pais que cresceram durante o período tumultuado do "forced busing" (política que obrigava crianças de um determinado bairro a matricularem-se em escolas de outra região para que se atingisse um "equilíbrio racial" nessas instituições) mantêm-se distantes das escolas por terem ressentimento, ou até mesmo desconfiança, em relação ao sistema. As visitas são também elaboradas de forma a esclarecer os professores - muitos dos quais moram fora das cidades e podem ter falsas impressões sobre os bairros nos quais os alunos moram -, possibilitando que observem os estilos de vida que as crianças têm em suas casas. Os professores de Boston recebem US$ 60 (R$ 104) por visita, e os de Springfield aproximadamente US$ 30 (R$ 52). "Essas visitas eliminam o ciclo de desconfiança que ocorre entre os educadores e as famílias", afirma Linnette Camacho, coordenadora de educação familiar das escolas de Springfield. Embora nenhuma das duas cidades tenha realizado um estudo formal sobre a eficácia do programa, os organizadores afirmam que professores e diretores observaram que houve um aumento da participação dos pais nas escolas e que as notas dos alunos também têm aumentado. As autoridades escolares de Springfield sentem-se tão encorajadas que estão criando uma proposta de expansão do programa para outras escolas municipais. Algo que ajudou essa iniciativa foi a criação da Associação Nacional de Educação, o poderoso grupo sindical de professores de âmbito nacional, que forneceu ao distrito uma verba para planejamento de US$ 50 mil (R$ 86 mil) - o primeiro passo para o fornecimento de US$ 1,25 milhão (R$ 2,2 milhões) para a expansão do projeto. "Os professores percebem que o envolvimento dos pais é fundamental para melhorar o desempenho dos alunos", diz Tim Collins, presidente da Associação Educacional de Springfield. "Creio que há muitos dados que demonstram que quando os pais estão engajados, os alunos têm mais sucesso na escola". Boston e Springfield basearam seus programas em um outro que teve início há mais de uma década em Sacramento, e que elevou os índices de presença e as notas dos alunos, reduzindo, ao mesmo tempo, as suspensões e os casos de vandalismo escolar.

Em Boston, o programa faz parte de uma iniciativa mais ampla chamada Three-to-Third, uma colaboração entre a prefeitura, o Departamento Escolar e a Escola de Pós-Graduação em Educação da Universidade Harvard para conseguir fazer com que todos os alunos estejam lendo e compreendendo textos até o final da terceira série. A Universidade Harvard está oferecendo treinamento para as visitas domiciliares e organizou grupos e pesquisas sobre o programa. A universidade está prestes a dar início a um estudo mais amplo dos resultados do programa. Geralmente os professores introduzem a ideia de uma visita enviando aos pais uma carta que dá a estes uma mensagem de boas-vindas à escola. Alguns telefonam para os pais, em vez de enviar-lhes uma carta. Mas eles não batem à porta de nenhuma família sem avisar. A família Coynes foi pega meio de surpresa ao receber um convite antes do início do ano escolar feito pela futura professora da sua outra filha, Mackenzie, que é gêmea de Megan. "No início eu fiquei meio cético", diz David Coyne, que atendeu o telefonema. "Parecia que se tratava de algo do tipo 'Grande Irmão' - o governo - investigando para ver se éramos bons pais".

Mas segundo ele a visita correu bem. A professora jamais se comportou como inspetora de bem-estar infantil. Ela não caminhou pela casa com um caderno na mão, rabiscando observações durante o percurso. Na verdade os professores são instruídos a deixarem cadernos de anotações no carro. Em vez disso, professores e pais simplesmente conversam, e frequentemente pergunta-se aos pais que esperanças e sonhos eles têm em relação aos filhos. Assim, quando Richardson chegou algumas semanas mais tarde com a sua assistente, Misheka Barrosy, os Coyne sentiram-se como profissionais. Eles encomendaram pizzas e todos sentaram-se à mesa da cozinha, conversando sobre como estava sendo o ano escolar. Os Coyne tiveram um começo meio conturbado na escola. Inicialmente, apenas a matrícula da filha Mackenzie foi aceita, o que obrigou Megan a retornar a um jardim de infância particular que os pais acreditavam que contava com um programa de qualidade inferior. Foi difícil para Kellyann Coyne ver as gêmeas separadas com tão pouca idade durante as primeiras semanas de escola. E Megan continuou vindo da escola particular para casa com os mesmos projetos de casa que as gêmeas haviam feito um ano antes.

Os Coyne ficaram tão frustrados que chamaram relutantemente um corretor de imóveis para visitar a casa no mês passado, já que estavam pensando em mudarem-se para os subúrbios da cidade. No entanto, uma hora depois, a Academia Lee telefonou avisando que havia uma vaga na turma de Richardson. O número de Megan finalmente fora contemplado na lista de espera, nove meses após ela ter sido inscrita. "Boston conta com o melhor programa educacional para crianças pequenas", explica Kellyann Coyne, tendo à sua frente, do outro lado da mesa, as duas professoras. "Eu sabia que as garotas apresentariam bastante desenvolvimento nessa escola... Estou entusiasmada com o progresso delas". Após conversarem durante mais de uma hora à mesa, os Coyne mostraram a casa de dois andares às professoras. Aproximadamente às 20h45, cerca de duas horas e 15 minutos após terem chegado - as professoras decidiram ir embora. A mãe caminhou até a frente da casa com elas, e o papo continuou. Tradução: UOL