terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Presidente Prudente (SP) mobiliza famílias, escolas e comunidade pela melhoria da Educação

Em 2013, os membros do Comitê de Presidente Prudente deram continuidade às atividades que vinham desenvolvendo na cidade com o intuito de aproximar familiares, educadores e comunidade e, assim, contribuir para a melhoria da Educação. Ações intersetoriais em parceria com assistentes sociais e com profissionais do Setor de Ações Complementares à Educação (SACE) da Secretaria Municipal de Educação estão entre os destaques da atuação do grupo de mobilizadores prudentinos neste ano.

Apresentação da Mobilização Social pela Educação a
profissionais da Saúde de 40 municípios da região
No dia 28 de novembro, as assistentes sociais e integrantes do Comitê de Mobilização de Presidente Prudente, Regina Ferreira Pinhal, Solange de Fátima Plasa e Solange Ferreira de Jesus foram convidadas pela equipe de Coordenação de Controle da Dengue do Centro de Vigilância Epidemiológica do estado de São Paulo para apresentarem a Mobilização Social pela Educação e as práticas exitosas realizadas pelo Comitê. Com a exposição, profissionais da Saúde de 40 municípios da região conheceram estratégias de mobilização da comunidade implementadas pelas voluntárias de Presidente Prudente e deram início à articulação de plano municipal de informação, educação e mobilização social para situação de risco ou de transmissão da dengue. 

Famílias atendidas pelo Renda Cidadã participaram de
palestras sobre interação família-escola
Além dos profissionais da Saúde, famílias beneficiárias do Programa Renda Cidadã, da Secretaria de Desenvolvimento Social de São Paulo, foram apresentadas à Mobilização Social pela Educação e à cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos, por meio de palestras conduzidas por psicólogas e assistentes sociais do SACE, de 23 a 25 de outubro. Promovidas com o intuito de conscientizar sobre a importância da interação família-escola-comunidade, as atividades contaram com o apoio do Comitê de Presidente Prudente e foram solicitadas pelo Centro de Atendimento ao Egresso e a Família (CAEF). As apresentações, que alcançaram diversos bairros da cidade, foram realizadas nos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) e na sede do CAEF.

Alunos, professores e assistentes sociais desenvolveram
projeto de prevenção à violência doméstica e ao
abuso sexual na EM Francisca Góes Brandão
As escolas da rede pública de Presidente Prudente também buscaram mobilizar e sensibilizar professores, alunos e comunidade sobre temas caros à Educação ao longo do ano. Exemplo desse esforço pôde ser conferido durante a realização do projeto de prevenção à violência doméstica e ao abuso sexual desenvolvido pela Escola Municipal Francisca Góes Brandão, que culminou com a exposição de trabalhos produzidos pelos alunos da instituição no dia 25 de setembro. “O material pedagógico utilizado foi a Cartilha O Segredo da Tartanina e foi possível constatar como os alunos aprenderam a desenvolver condutas auto-protetivas em relação a violência sexual, violência doméstica, pedofilia, vulnerabilidade na internet e demais violências que infelizmente podem ocorrer com as nossas crianças”, relatou a mobilizadora e assistente social do SACE, Solange Ferreira de Jesus.

Com informações de Solange Ferreira de Jesus, mobilizadora social pela Educação em Presidente Prudente.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Revista Gestão Escolar dá dicas para combater o abandono e a evasão escolar

Confira o texto e as imagens abaixo publicadas no site da revista Gestão Escolar do Grupo Abril e saiba como os gestores escolares podem proceder para combater a evasão e garantir a presença de todos os alunos na sala de aula. 

Para facilitar a leitura, o texto dos quadrinhos foi reescrito abaixo das imagens.

  • O diretor que visita as salas periodicamente acompanha melhor a frequência dos alunos e percebe se alguém está faltando muito. Nesses casos, é possível entrar em contato com a família por meio de telefone, carta ou e-mail ou ainda fazer uma visita para esclarecer a razão das faltas ou da evasão e pensar em soluções.

  • Colocar um aviso na entrada da escola mobiliza a comunidade a se unir em torno da meta de levar todos os alunos para as aulas. As frases devem ser cuidadosas, demonstrando atenção e acolhimento – nunca punição. Com isso, alunos e pais podem transmitir a preocupação do gestor às famílias conhecidas e àqueles que estão faltando muito. (Texto de exemplo de aviso no quadro: Estamos sentindo falta de alguns alunos matriculados que ainda não vieram. Se você conhece um caso como esse, por favor comunique à família nossa preocupação. A direção)

  •  Caso as faltas ocorram por falta de uniforme, é preciso deixar claro às famílias que o uso não é obrigatório. Se o motivo das faltas for doença ou trabalho, o diretor deve solicitar a ajuda da assistência social para resolver o problema e levar o aluno de volta à escola. No caso de falta de transporte escolar, as Secretarias de Educação e do Transporte podem ser acionadas.


  • A parceria com a Secretaria de Educação torna o combate à evasão mais eficiente. Por isso, é preciso levar o nome dos matriculados que não compareceram e dos desistentes às reuniões de rede para esclarecer sobre casos de matrículas feitas em mais de uma escola ou de transferências não notificadas.

Leia a matéria completa no site da revista Gestão Escolar.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

O papel dos avós na educação dos netos

Imagem: Blog Educação
Visitar a casa dos avós, geralmente, é sinônimo de diversão para os netos. Afinal, é lá que eles podem comer o que quiserem, brincar e ouvir muitas histórias. Mas não é apenas nas brincadeiras e na fuga da rotina que o papel dos avós é desempenhado. Eles são importantes para a educação informal das crianças.

De acordo com o estudo A colaboração dos avós na educação dos netos, publicado na revista Interfaces Científicas, em 2012, 70% dos professores de educação básica acreditam que as crianças que têm os avós próximos  são mais calmas, mais organizadas, assíduas e têm menos problemas de saúde. Participaram da pesquisa 120 crianças, do 1º ciclo do ensino básico, oito professores e 200 avós e pais.

Para o coordenador do Grupo Acadêmico Pedagógico da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo – Fespsp, Ivan Russeff, a educação transmitida pelos avós está cada vez mais intensa por conta da rotina atribulada dos pais. “Há uma preocupação dos pais em não deixar filhos muito novos na escola e isso faz com que os avós entrem na educação diretamente”, observa. Para ele, essa relação não é negativa. “Pelo contrário. Nós prezamos tanto a participação da família na educação, que o papel dos avós se torna muito positivo”, diz.

Ana Mateus Silva, psicóloga e autora da pesquisa A colaboração dos avós na educação dos netos, acredita que o papel dos avós assemelha-se ao dos pais, porque tanto oferecem afeto e carinho como repreendem quando necessário. No estudo, ela afirma que “os avós valorizam muito a escola, a educação e, quando sentem que não conseguem ajudar os netos nos trabalhos da escola, definem estratégias para encontrar uma solução”.

Um ponto que merece destaque na relação entre avô e neto é a questão histórica. “O avô do século 21 frequentou uma escola ruim, de pura reprodução. Passar aos netos essa experiência servirá de apoio tanto para o neto quanto para ele mesmo, que terá de rever seus conceitos sobre o mundo em um período em que a educação formal passa por tantas reformas. Isso é um exemplo da educação cooperativa do educador e filósofo Paulo Freire”, avalia Russeff.

Oralidade

O diretor acadêmico destaca a oralidade como a maior contribuição do avô para a educação do neto. “A maior contribuição para o processo educacional está no momento em que o neto ouve as histórias de seus avós. É isso que forma quem somos, que constrói a nossa história e que nos deixa ligados ao nosso passado. Não há futuro sem passado”, afirma.

Para ele, a conversa traz benefícios à criança que vão além dos estudos. “Como o avô é, geralmente, mais tolerante que os pais, essa relação transmite maior paciência para os netos; e essa paciência gera respeito. Por isso, Paulo Freire definiu a amorosidade como fator importante na educação. Outro ponto essencial da conversa é a maturidade intelectual do avô, que vê as coisas de forma diferente, agregando valor às descobertas dos netos”, explica.

A tradição oral permite que a criança amplie a socialização dentro da escola. “Ela aprende a conversar dentro de casa. Não fica ali se distraindo apenas com a tecnologia. Consequentemente, leva isso para a sala de aula. Os educadores percebem claramente quando uma criança tem uma educação familiar, porque ela enfrenta as dificuldades com naturalidade. Os avós contribuem muito para esse processo”, completa Ivan Russeff.

Chá dos avós

Ciente da importância dos avós para a educação de crianças e adolescentes, a mobilizadora do projeto Parceria Votorantim pela Educação – PVE, do município de Anita Garibaldi (SC), Cleonice Godoy, criou o Chá dos Avós. A proposta é reunir os avós dos alunos das escolas municipais a fim de promover a integração família e escola.

“Como muitos pais passam o dia trabalhando, planejamos esse encontro dos avós para que eles pudessem saber mais sobre o PVE. Serviu também como uma estratégia de mobilização para conseguir trazer a família para dentro da escola”, explica. A iniciativa ajudou a consolidar o projeto em seu primeiro ano de atuação na cidade.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Mobilizadores e mobilizadoras: é momento de refletir e planejar!

Aproxima-se o final do ano, tempo de fazermos um balanço de tudo que vivenciamos, aprendemos e conquistamos e, principalmente, de fazermos planos para o ano que chega. É assim também na Mobilização Social pela Educação!

Queremos agradecer a todos(as) que participaram conosco desse processo de Mobilização, colaborando para o êxito de nossas atividades em 2013.

Foi graças aos esforços de pessoas como você que chegamos ao final do ano com um balanço positivo no nosso Plano de Mobilização. Reafirmamos o nosso empenho em contribuir para despertar a consciência da sociedade para que todos se comprometam com a melhoria da qualidade da educação pública brasileira, garantindo, assim, uma sociedade de oportunidades para todos e todas.

Para dar continuidade a esse trabalho, precisamos do seu apoio e da colaboração das entidades parceiras, que têm um papel relevante a desenvolver junto às famílias e comunidades para garantir o direito de aprender a cada criança. Queremos estar mais próximos de nossos parceiros, contribuindo com ideias, ações e materiais para fortalecer e qualificar a atuação dos Comitês de Mobilização. Portanto, precisamos dialogar mais, saber o que os Comitês estão desenvolvendo após as Oficinas de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação realizada nos municípios.

Entre em contato conosco pelo e-mail mobilizacaosocial@mec.gov.br e nos conte como a formação realizada em sua cidade contribuiu para fortalecer as ações de incentivo à interação família-escola. 

Equipe do Plano de Mobilização Social pela Educação (PMSE/MEC)

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Roraima e Bahia recebem Oficinas de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação

A capital roraimense Boa Vista e o município de Teodoro Sampaio, na Bahia, recebem, nesta segunda e terça-feira, 9 e 10 de dezembro, Oficinas de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação. Ambos os eventos têm como objetivo orientar e fortalecer as ações de incentivo à interação família-escola e são realizados em parceria com o Plano de Mobilização Social pela Educação do Ministério da Educação (PMSE/MEC).

Em Roraima, a atividade conta com o apoio e participação de membros do Fórum Estadual de Defesa dos Direitos de Crianças e Adolescentes, da Secretaria Municipal de Educação de Boa Vista e do Movimento ID.  As exposições da formação serão conduzidas pelo representante da equipe do PMSE/MEC, Sérgio Benedito Maia.

A Oficina em Teodoro Sampaio, por sua vez, conta com apresentações ministradas pela mobilizadora e também representante do PMSE/MEC, Doris Cardoso Prudente Bertolino. No município baiano, o evento é realizado em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, Cultura, Esporte e Lazer.

Durante as ações de formação, os voluntários roraimenses e baianos vão conhecer as principais metas e estratégias do Plano de Mobilização Social pela Educação, bem como exemplos bem-sucedidos de sua implementação em diversas localidades. Fundamentos da interação família-escola-comunidade, sugestões de atividades para incentivar a aproximação entre familiares e educadores e dados sobre os avanços e desafios da educação brasileira também estão na pauta das Oficinas. Com base nas informações recebidas durante os eventos, os mobilizadores deverão elaborar Planos de Ação a serem executados de acordo com as prioridades e características de cada município.

Serviço 

Oficina de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação em Boa Vista (RR)
Data: 9 e 10 de dezembro de 2013
Local: Centro de Formação de Professores de Boa Vista
Horário: 8h às 18h

Oficina de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação em Teodoro Sampaio (BA)
Data: 9 e 10 de dezembro de 2013
Local:
Câmara de Vereadores de Teodoro Sampaio
Horário: 8h às 18h

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Nazaré (TO) intensifica ações de incentivo à interação família-escola-comunidade

Participantes da Oficina de Formação de Mobilizadores
em Nazaré
Mobilizadores sociais pela Educação que atuam no município tocantinense de Nazaré vêm se empenhando para levar a mensagem da cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos às famílias de alunos da rede pública da cidade. Para tanto, os voluntários têm buscado ampliar as parcerias e apostado no diálogo com os familiares e educadores.

Como resultado das atividades – reforçadas a partir da Oficina de Formação de Mobilizadores promovida em Nazaré em outubro deste ano – a mobilizadora Lavina Silva destaca que já pode ser observada maior participação da comunidade no cotidiano escolar. “As famílias estão mais conscientes de seu papel na vida estudantil de seus filhos e a comunidade em geral está mais interessada em contribuir para a melhoria da Educação”, afirmou.

Ações junto à comunidade e conquista de parcerias

Profissionais da saúde vão auxiliar na divulgação da
mensagem da Cartilha
Entre as ações realizadas, no dia 21 de novembro, a mobilizadora Lavina Silva foi ao encontro da comunidade do Povoado Piaçava para conversar com pais, mães e responsáveis sobre a importância do envolvimento das famílias na trajetória escolar. “Observou-se os horários em que as pessoas da comunidade costumam reunir-se em locais abertos para momentos de descontração, aí, como mobilizadora, compareci para falar sobre a importância da interação família-escola-comunidade e também para distribuir cartilhas e folders sobre a Mobilização”, contou a mobilizadora.

Pais e educadores conheceram a Mobilização Social pela
Educação na EE Piaçava
Localizada no mesmo povoado, a Escola Estadual Piaçava também foi foco das ações dos mobilizadores. No dia 19 de novembro, profissionais da saúde estiveram reunidos na unidade de ensino para conhecer o Plano de Mobilização Social pela Educação (PMSE) e firmar parceria com o Comitê local para divulgar a mensagem da Cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos junto a seu público de atuação. Na oportunidade, foram distribuídos exemplares da publicação e os mobilizadores se colocaram à disposição para realização de palestras sobre os benefícios da interação família-escola.

Antes de receber os profissionais da saúde, a escola também ofereceu espaço para disseminar o PMSE aos professores e funcionários da instituição, bem como para apresentar as orientações da Cartilha aos familiares de alunos. A atividade foi desenvolvida no dia 8 de novembro, durante reunião para entrega dos boletins aos pais.

Estudantes e professores da Universidade Federal de
Tocantins também conheceram o PMSE
Os mobilizadores de Nazaré conquistaram, ainda, o apoio de estudantes e professores dos cursos de Pedagogia e Ciências Sociais da Universidade Federal de Tocantins (UFT). Realizado no campus de Tocantinópolis, no dia 14 de novembro, o encontro teve como objetivo apresentar o PMSE aos educadores e alunos, bem como debater sobre a importância das parcerias para o trabalho de Mobilização e resultou no agendamento de palestra sobre o tema a graduandos em Pedagogia.

Oficina de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação em Nazaré

Autoridades locais estiveram presentes no evento
de formação em Nazaré
O fortalecimento das ações de incentivo à interação família-escola em Nazaré foi um dos resultados da Oficina de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação promovida na cidade nos dias 24 e 25 de outubro. A formação contou com a presença de professores, gestores e supervisores escolares, representantes da Secretaria Municipal de Educação, vereadores, membros do Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente, profissionais da Saúde e lideranças religiosas, entre outros.

As exposições da Oficina foram conduzidas pelo representante da equipe do PMSE/MEC, Paulo Ronaldo dos Santos. Durante o evento de capacitação, os participantes conheceram os fundamentos da interação família-escola e as orientações do Plano de Mobilização Social pela Educação, bem como exemplos de sua implementação em diversas localidades, além de dados sobre os avanços e desafios da educação brasileira.

Com informações de Lavina Silva, mobilizadora social pela Educação em Nazaré (TO).

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Tenente Laurentino Cruz (RN) forma mobilizadores para incentivar interação família-escola

As ações de incentivo à interação família-escola-comunidade em Tenente Laurentino Cruz (RN) e região serão reforçadas com a formação de mobilizadores sociais pela Educação, a ser sediada no município potiguar nesta quinta e sexta-feira, 5 e 6 de dezembro. Realizada por iniciativa da coordenadora pedagógica da Secretaria Municipal de Educação de Tenente Laurentino, Tatiany Azevedo, a atividade conta com a participação de representantes de diversos segmentos sociais.

Além do secretário municipal de Educação da cidade, Idivanilson Oliveira, estarão presentes na Oficina de formação professores, gestores escolares, membros do Conselho Tutelar e agentes comunitários de saúde. Durante o evento, os participantes serão orientados a divulgar a mensagem da Cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos junto a seu público de atuação, como forma de contribuir para a melhoria da qualidade da Educação no município.

Conduzida pelo representante do Plano de Mobilização Social pela Educação  no Ministério da Educação (PMSE/MEC), Sérgio Benedito Maia, a formação apresentará aos mobilizadores, entre outros tópicos, os fundamentos da interação família-escola; dados sobre os avanços e desafios da Educação no Brasil; sugestões de atividades para aproximar familiares e educadores; e exemplos de boas práticas de Mobilização em diversas localidades.

Após debate sobre os temas expostos na capacitação, os voluntários serão orientados a elaborarem Plano de Ação a ser desenvolvido em Tenente Laurentino Cruz e região.

Serviço
 
Oficina de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação em Tenente Laurentino Cruz (RN)

Data: 5 e 6 de dezembro de 2013
Local: Escola Estadual Prof. Sinval Laurentino
Horário: 8h às 18h

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Babaçulândia (TO) sanciona lei que institui Dia Municipal da Mobilização Social pela Educação

O município tocantinense de Babaçulândia instituiu, por meio da aprovação do Projeto de Lei nº 184/2013, o Dia Municipal de Mobilização Social pela Educação. Sancionada pelo prefeito Franciel de Brito Gomes, no dia 10 de setembro, a Lei determina que as atividades em comemoração à data serão realizadas anualmente no dia 30 de setembro.

Referida na lei como o dia “D” da Mobilização Social pela Educação no município, a data tem como objetivos fomentar a efetiva participação das famílias e/ou responsáveis na vida escolar de crianças e adolescentes; construir, incentivar e divulgar projetos de mobilização pela educação no município de Babaçulândia; despertar nos diversos segmentos da sociedade o interesse e o compromisso social na afirmação do direito de todos à educação de qualidade; entre outros.

Acesse aqui o conteúdo da Lei nº 184/2013 que instituiu o Dia da Mobilização Social pela Educação em Babaçulândia (TO).

Incentivo à leitura e divulgação da Lei
 
Caminhada por Babaçulândia com o intuito de conscientizar
a comunidade sobre a importância da leitura
Com a finalidade de conscientizar a comunidade local sobre a importância da leitura, mobilizadores de Babaçulândia, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, promoveram, no dia 30 de setembro, caminhada pelas ruas da cidade que culminou em evento na quadra comunitária. A atividade destacou, ainda, o papel das famílias e das escolas para incentivar o hábito da leitura em crianças e adolescentes.

Entre os participantes, estiveram presentes estudantes e educadores das escolas municipais e estaduais da cidade, bem como pais e mães de alunos, lideranças comunitárias e religiosas e comerciantes locais. Além da comunidade de Babaçulândia, a ação contou com a presença de representantes dos municípios de Filadélfia (TO) e Carolina (MA).
 
Mobilizadores e lideranças sociais reunidos
na quadra comunitária da cidade
Para sensibilizar os participantes, foram realizadas, pelos estudantes, apresentações culturais sobre a necessidade de incluir a leitura não só no cotidiano escolar, mas em toda a vida. Ao final da atividade, os mobilizadores também divulgaram à comunidade o texto da Lei que criou o Dia da Mobilização Social pela Educação no município tocantinense.

Com informações de Ângela Guedes, mobilizadora social pela Educação em Babaçulândia (TO).

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Cotegipe (BA) mobiliza famílias e comunidade em prol da melhoria da Educação

Participantes da Oficina de Formação de Mobilizadores
em Cotegipe (BA)
Voluntários interessados em contribuir para a melhoria da qualidade da Educação em Cotegipe, na Bahia, participaram, nos dias 17 e 18 de outubro, de Oficina de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação, promovida pela Secretaria de Educação do município baiano. Realizada em parceria com o Ministério da Educação, a atividade contou com exposições conduzidas pela representante da equipe do Plano de Mobilização Social pela Educação (PMSE/MEC), Luiza Catarina de Sousa Carvalhal.

Entre os voluntários capacitados para atuar como mobilizadores, estão professores, gestores escolares, representantes da Secretaria Municipal de Educação, da Ação Social, do Conselho Tutelar, do Departamento de Esporte e Cultura e membros de sindicatos. A acolhida ao evento foi realizada pela secretária municipal de Educação de Cotegipe, Luzimar Almeida de Oliveira, e a mesa de abertura foi composta por vereadores, pela procuradora geral do município, pelo presidente e secretário do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia – APLB e pelo coordenador geral de Educação.

Voluntários de diversos segmentos sociais receberam
orientações para atuarem como mobilizadores
Para reforçar o trabalho de conscientização das famílias sobre a importância de sua participação no cotidiano escolar iniciado na cidade baiana neste ano, por meio de conversas sobre o conteúdo da cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos, os participantes receberam, durante a formação, diversas informações e orientações para enriquecer sua atuação como mobilizadores. Dados sobre a educação no Brasil e sobre os principais programas do poder público de apoio à Educação Básica, bem como dicas para instalar Comitês, definir territórios de atuação e priorizar públicos e atividades foram alguns dos temas abordados.

De acordo com o relatório da Oficina elaborado pela Secretaria Municipal de Educação de Cotegipe e enviado à equipe do PMSE/MEC, a capacitação foi considerada bem-sucedida pelos mobilizadores. “A ação culminou na motivação, melhor preparo e integração dos participantes”, informou o documento enviado pela Secretaria.

Ações para 2014

Em grupos, mobilizadores iniciaram a elaboração do
Plano de Ação para 2014
Como resultado da formação, os voluntários deram início à articulação de Plano de Ação a ser aplicado em 2014 no município baiano. Por meio das ações a serem desenvolvidas no próximo ano, os mobilizadores pretendem dar sua contribuição para alcançar diversas metas, tais como: manter programas de alfabetização de jovens e adultos; matricular os alunos nas escolas mais próximas às suas residências; valorizar a atuação dos profissionais da Educação; alfabetizar as crianças até os oito anos de idade; entre outras.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Secretaria de Educação de Nova Olinda (PB) promove Oficina de Formação de Mobilizadores

Professores, coordenadores pedagógicos e gestores escolares da rede municipal e estadual, pais de alunos, lideranças comunitárias e religiosas, membros dos conselhos Tutelar e da Criança e do Adolescente e do Centro de Referência de Assistência Social estão entre os participantes da Oficina de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação realizada em Nova Olinda (PB), nesta segunda e terça-feira, 25 e 26 de novembro.

A capacitação é promovida pela Secretaria Municipal de Educação de Nova Olinda em parceria com o Ministério da Educação e conta com a presença de representantes das secretarias de Educação dos municípios paraibanos de Santana dos Garrotes e Itaporanga. As exposições da Oficina são conduzidas pela representante da equipe do Plano de Mobilização Social pela Educação (PMSE/MEC), Doris Cardoso Prudente Bertolino.

Entre os tópicos abordados, estão as metas e estratégias do PMSE, os fundamentos da interação família-escola-comunidade, os avanços e desafios da Educação no Brasil, bem como informações sobre políticas públicas voltadas à Educação e o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Os voluntários vão conhecer, ainda, exemplos de boas práticas realizadas por mobilizadores em diversas localidades do País e serão incentivados a replicar essas experiências em suas comunidades e a elaborar Plano de Ação conforme a realidade socioeducacional da região.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Campanha mobiliza crianças e adolescentes pelo fim da violência contra a mulher

Inserido nas ações pelo Dia Internacional da Não Violência contra as Mulheres - 25 de novembro, lançamento da segunda etapa da Campanha 'Quem Ama Abraça' inaugura nova fase de ação que envolverá, em 2014, escolas de todo o país

Vozes de crianças, adolescentes e artistas unidas pelo enfrentamento à violência contra as mulheres brasileiras. Mobilizadas, levarão para as escolas, de todo o país, mensagens sobre práticas e atitudes em favor da Lei Maria da Penha e de apoio às mulheres em situação de violência. ‘Fazendo Escola’ é a segunda fase da campanha nacional ‘Quem Ama Abraça’, que foi lançada no dia 22 de novembro no Rio de Janeiro.

O ato contou com a presença da ministra Eleonora Menicucci, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR) – uma das instituições parceiras da campanha. A iniciativa é realizada pela Rede de Desenvolvimento Humano (Redeh) e pelo Instituto Magna Mater (IMM), em parceria com o Instituto Avon e apoio da Fundação Ford, organismos municipais e estaduais de políticas para as mulheres e Secretarias de Educação de Estados e Municípios. Os objetivos abrangem sensibilizar a sociedade para os altos índices de violência doméstica contra as mulheres, aumento de suicídios, causa de repetência escolar dos filhos, entre outros efeitos sociais. 

"Acredito que as crianças ajudarão mais fortemente a chamar atenção para esta campanha, sensibilizando as famílias e especialmente os homens sobre a violência em casa – realidade grave e muito mais presente, infelizmente, do que a gente imagina. A criançada vestiu a camisa, cantou lindo e nos emocionou muito no estúdio e na escola", disse Leila Pinheiro, cantora e responsável pela direção musical da Orquestra de Vozes Meninos do Rio, que se apresentou no lançamento da Campanha.

Mobilização social – “É ótimo ver esse caldeirão diverso abraçando uma causa fundamental, pois nós acreditamos que a resposta para barrar essa tragédia precisa contar com o envolvimento de toda a sociedade brasileira”, diz Schuma Schumaher, coordenadora executiva da Redeh. Schumaher é autora premiada de livros sobre a participação das mulheres na história e integrante do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM). 

Mulher, Viver sem Violência – Ao contribuir com o programa do governo federal, 'Quem Ama Abraça' organiza ações de prevenção da violência contra as mulheres e de conscientização sobre a igualdade de gênero. Para a secretária nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres da SPM, Aparecida Gonçalves, o 'Mulher, Viver sem Violência' ganha reforço com as ações voltadas a crianças, adolescentes e comunidade escolar. Além disso, amplia a rede de parceiros e alcança públicos ainda não mobilizados nas ações de combate à violência. 

“É na infância que a identidade de gênero de meninas e meninos se constrói, com noções sobre o que é ser mulher e o que é ser homem. Os primeiros papéis sociais se estruturam no dia a dia das brincadeiras e nos relacionamentos dentro e fora de sala de aula”, afirma a secretária.

Sensibilização pública – Essa é a terceira campanha do programa, que tem como foco a sensibilização e a conscientização sobre direitos, o alerta acerca da gravidade do fenômeno e a busca de adesão para o fim da impunidade. Ao lado de 'Compromisso e Atitude pela Lei Maria da Penha' e 'Desperte para essa causa'. O 'Mulher, viver sem violência' pretende engajar a sociedade na mudança de comportamentos frente à violência de gênero, desconstruir preconceitos e prestar informações sobre as estratégias de eliminação da violência contra as mulheres.


Leia a Nota da ministra Eleonora Menicucci pelo Dia Internacional pela não Violência Contra a Mulher.

Com informações do site da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM).

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Prêmio Paulo Freire seleciona experiências em formação de professores

http://www.pasem.org/pt/competi%C3%A7%C3%A3o/Estão abertas até 15 de janeiro de 2014 as inscrições para o I Concurso de Experiências Inovadoras na Formação Docente – Prêmio Paulo Freire. A premiação é iniciativa do Programa de Apoio ao Setor Educacional do Mercosul (Pasem).

O concurso tem como objetivos compartilhar as práticas realizadas e estabelecer códigos comuns para ampliar o direito à educação e à integração na região e criar um banco de experiências. Podem apresentar propostas os coordenadores de cursos de formação inicial de docentes, equipes institucionais ou interinstitucionais e os gestores de instituições envolvidas com a formação docente e gestão de políticas de inovação destinadas à formação de professores. 

Nessa primeira edição do Prêmio Paulo Freire, vão ser avaliadas experiências nas áreas de acompanhamento de novos docentes, ensino de ciências, alfabetização, impacto das tecnologias nos diferentes aspectos vinculados ao ensino e à aprendizagem. Serão selecionadas 10 experiências, cujos autores, além da condecoração do Prêmio Paulo Freire, vão receber materiais didáticos e equipamentos no valor de até 3.000 euros.

Sobre o Pasem

O Pasem é uma ação conjunta entre Mercosul e União Europeia, com foco no papel da educação nos processos de integração da região. Seu objetivo é contribuir para a melhoria da qualidade da educação, por meio do fortalecimento da formação de docentes na Argentina, no Brasil, no Paraguai e no Uruguai.

Acesse a página do Pasem na internet.

Com informações do Portal do MEC.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

SP: Seminário em Heliópolis discute participação da comunidade na Educação

Debater a participação da comunidade na gestão educacional e a importância da parceria entre poder público e sociedade organizada são objetivos do III Seminário da Educação: Heliópolis, Bairro Educador, promovido no bairro da zona sudeste de São Paulo (SP) nos dias 21 e 22 de novembro. O evento é organizado pela União de Núcleos e Associações dos Moradores de Heliópolis (UNAS), em parceria com o Centro de Convivência Educativa e Cultural de Heliópolis, mantido pela Secretaria Municipal de Educação de São Paulo.

“Acreditamos que a transformação de Heliópolis e região em um Bairro Educador exige a criação de práticas educativas centradas na valorização do ser humano e na construção, vivência e disseminação de novos valores que tragam a possibilidade real de construção de uma sociedade mais justa, igualitária e humana”, afirmou a coordenação do evento.

Entre os temas que vão nortear os debates do Seminário, estão “Educação integral na perspectiva do bairro educador”, “Espaço público e educação: perspectiva urbanística”, “Autonomia escolar: inovações dentro da rede” e “Políticas públicas para a 1ª infância numa perspectiva intersecretarial”.

Clique na imagem abaixo para ter mais informações sobre o III Seminário da Educação: Heliópolis, Bairro Educador:



Sobre a UNAS

A UNAS é uma entidade sem fins lucrativos que tem como missão contribuir para transformar Heliópolis num bairro educador, promovendo a cidadania e o desenvolvimento integral da comunidade. Fundada e administrada pelas lideranças comunitárias, atualmente a entidade desenvolve ações nas áreas da Habitação, Educação, Cultura, Esportes, Saúde, Assistência Social e Comunicação Social, ressaltando o trabalho com crianças e adolescentes.

Saiba mais no site da UNAS: http://unas.org.br/

Leia mais sobre a parceria da UNAS com a Mobilização Social pela Educação.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

20 de novembro: Dia da Consciência Negra

Imagem: Secretaria de Políticas de Promoção
da Igualdade Racial
Comemorado em 20 de novembro, o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra faz referência à morte do líder Zumbi dos Palmares, símbolo da luta pela liberdade e valorização do povo afro-brasileiro, e inspira a cada ano um número maior de atividades em torno de reflexões sobre questões raciais no país.

Em alusão à data, durante todo o mês de novembro, são realizadas atividades com o objetivo de ampliar as discussões sobre os temas raciais, visando a expansão dos direitos conquistados pela comunidade afro-brasileira nos últimos anos.

Zumbi dos Palmares

Zumbi nasceu em 1655, em Palmares, atual estado do Alagoas. Descendente de guerreiros Imbangalas, de Angola, foi aprisionado por uma expedição portuguesa e entregue aos cuidados do Padre Antônio Melo, que o batizou de Francisco. Com o religioso, aprendeu a escrever em português e latim.

Aos 15 anos, fugiu em busca de suas origens e voltou para o Quilombo dos Palmares, uma comunidade livre formada por escravos fugitivos das fazendas. Tornou-se líder da comunidade aos 25 anos, se destacando pela habilidade em planejamento, organização e estratégias militares. Sob seu comando, Palmares obteve diversas vitórias contra os soldados portugueses.

No ano de 1694, o quilombo foi atacado pelo bandeirante Domingos Jorge Velho. Após o combate, a sede da comunidade ficou totalmente destruída. Zumbi conseguiu escapar, mas seu esconderijo foi denunciado por um antigo companheiro.

Em 20 de novembro de 1695, o líder negro foi capturado e morto, aos 40 anos de idade.

Leia mais sobre o Dia da Consciência Negra no portal da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.

Reflexões sobre a data

A Invenção de Zumbi - por Sueli Carneiro

Sou de uma geração de crianças negras que cresceu ouvindo dizer que Zumbi era um fantasma sem beira nem eira, doido perambulando pelas encruzilhadas assombrando como alma penada. O nome de Zumbi sempre foi identificado, associado como negro à imagem do diabo, do pecado. Ao contrário da representação imagética ''dócil'' de Negrinho do Pastoreio ou mágico do mito mutilado (sem uma perna) Saci Pererê.

O Aurelião já registra o Zumbi, chefe do Quilombo dos Palmares, assim como acrescenta ao verbete a idéia ''de fantasma segundo a crença afrobrasileira, vaga pela noite morta''. O significado negativo se institucionalizou não apenas graças aos dicionários, mas, principalmente, aos instrumentos educativos e meios de comunicação.

O militante do Movimento Negro que tiver a oportunidade de conhecer a Praça São Pedro, em Recife, e imaginar a cabeça espetada em exibição pública como ícone de advertência à punição poderá refletir com orgulho sobre o processo de construção de Zumbi dos Palmares, como um herói nacional que segue crescendo também em nível internacional. No ano passado, o festejamos na Alemanha; em anos anteriores, em Nova York, Bogotá, lugares para onde ele é conduzido pela imigração afro-brasileira, apropriado pela diáspora africana e incorporado à tradição pan-africanista ou por acadêmicos da área de estudos sobre a escravidão e resistência nas Américas. Caminha Zumbi dos Palmares para atingir a estatura histórica de Simon Bolivar, José Martí e outros símbolos das lutas por liberdade da região americana.

E devemos à poesia essa reinvenção da história. Da inspiração do poeta negro gaúcho Oliveira Silveira de retirar do silêncio da historiografia oficial a figura mítica de Zumbi dos Palmares e ressignificá-la como símbolo da consciência negra do passado e do presente, em oposição à verdade oficialesca que instituiu a princesa Isabel como a redentora dos escravos ocultando a resistência dos negros à escravidão. A partir de então, a arte inventa, inaugura um marco histórico singularíssimo. A intuição do poeta inspirou revisões historiográficas que alcançaram resgatar a saga e o sentido do quilombo dos Palmares como a primeira tentativa histórica de construção da democracia no Brasil.

Leia o texto completo no Portal Geledés Instituto da Mulher Negra.

Consciência Negra na sala de aula

O Portal Geledés Instituto da Mulher Negra disponibiliza Planos de Aula para orientar a abordagem do Dia e Mês da Consciência Negra em sala de aula. Clique aqui para conferir

Além das datas comemorativas, o site do Instituto também oferece diversos outros Planos de Aula para trabalhar a cultura afrobrasileira e a diversidade nas escolas. Veja aqui.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Melhorar o aproveitamento do ensino nas escolas públicas é meta dos mobilizadores de Palmas (TO)

Mobilizadores de Palmas (TO) divulgam a mensagem da
Cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos
Profissionais que atuam na Educação Infantil, no Ensino Fundamental, na Educação de Jovens e Adultos (EJA) e na Educação do Campo em Palmas, Tocantins, têm se empenhado para mobilizar alunos, famílias e comunidade como forma de contribuir para a melhoria do aproveitamento do ensino. Entre as estratégias empregadas pelos mobilizadores, estão reuniões nas escolas, caminhadas e outras atividades para divulgar a mensagem da Cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos.

Em setembro, a comunidade da Escola Municipal Luiz Gonzaga, localizada na quadra 503 norte em Palmas, participou de caminhada promovida pelos mobilizadores com o intuito de incentivar a matrícula de jovens e adultos em unidades de ensino que oferecem vagas para EJA. A ação teve como objetivo, ainda, conquistar parceiros para as ações de mobilização em prol da melhoria da Educação, por meio de visitas a igrejas, estabelecimentos comerciais e associações comunitárias.
 
“Essa iniciativa é um chamado àqueles que não estão estudando para que voltem à escola. Buscamos também a adesão de parceiros, multiplicadores desse pensamento, para que a mobilização social pela educação alcance um grande número de pessoas”, explicou a mobilizadora Monique Wermuth Figueras.
 
Ainda no mesmo mês, a Escola Municipal Maria Júlia sediou encontro dos mobilizadores palmenses para planejamento de ações. Entre as atividades programadas, estão novas ações nas instituições de ensino e junto às comunidades escolares.

Oficina de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação

A atuação dos mobilizadores de Palmas teve início com a Oficina de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação realizada na cidade em agosto deste ano. Durante a capacitação, conduzida pela representante do Plano de Mobilização Social pela Educação no Ministério da Educação (PMSE/MEC), Luiza Catarina de Souza Carvalhal, os participantes conheceram o PMSE e esclareceram dúvidas sobre sua implementação, receberam informações sobre a Educação no Brasil e na capital tocantinense e elaboraram Plano de Ação a ser desenvolvido de acordo com a realidade socioeducacional da região.

Além de serem orientados para desenvolver as ações do Plano de Mobilização, os participantes da Oficina tiveram oportunidade de compartilhar suas experiências e expectativas. Entre os presentes, estiveram representantes das secretarias municipais de Educação, de Ação Social, Desenvolvimento e Emprego, bem como membros de entidades filantrópicas e de associações socioprodutivas e profissionais da Educação.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Mobilizadores de Roraima, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro fortalecem parceria com o PMSE

Por meio de visitas à equipe do Plano de Mobilização Social pela Educação (PMSE) no Ministério da Educação, em Brasília, voluntários do Movimento ID, de Roraima, e lideranças da Mobilização nos estados do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul estreitaram a parceria com o PMSE. Realizadas em outubro, as reuniões entre mobilizadores e a coordenação do Plano de Mobilização propiciaram o debate sobre os avanços e desafios para o desenvolvimento de ações de incentivo à interação família-escola em suas regiões e definiram estratégias de atuação em conjunto.

Movimento ID - Roraima

Equipe do PMSE/MEC e representantes do Movimento ID
No dia 31 de outubro, representantes do Movimento ID – grupo de jovens roraimenses que desenvolve projetos sociais com o objetivo de aproximar estudantes e comunidade – estiveram reunidos com a equipe do Plano de Mobilização Social pela Educação no MEC, liderada pela coordenadora Ivanete Oliveira dos Santos. Na oportunidade, os representantes do movimento conheceram as principais metas e estratégias do PMSE, apresentaram as atividades realizadas pelo grupo e discutiram possibilidades formar parceria com o Plano, inserindo a divulgação das orientações da cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos em suas ações.

Os integrantes do ID também tomaram conhecimento de exemplos de boas práticas de incentivo à interação família-escola realizadas em diversas localidades do País. “Cada vez mais que estudo esse Plano e conheço todas as atividades, mais me encanto”, afirmou o coordenador geral de Ideologias e Estratégias do Movimento ID, Fábio Cavalcante.

Entre as ações promovidas pelo grupo de estudantes, está o Programa “Minha Escola em Movimento”, que visa incentivar o engajamento social de jovens por meio de projetos que promovem a criação de grêmios estudantis, a proteção ao meio ambiente e o combate ao bullying, entre outros temas, além de realizar oficinas sobre empreendedorismo social e protagonismo juvenil. 

Acesse aqui apresentação com mais informações sobre as atividades realizadas pelo Movimento ID.

Coronel Pilar (RS) e Rio de Janeiro (RJ)

(da esq. para a dir.) Paulo Ronaldo (PMSE/MEC), Ivanete
dos Santos (coordenadora do PMSE/MEC) e David Arcênio
(Comitê Rio)
Aproveitando a passagem por Brasília para participar do V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares, realizado de 16 a 18 de outubro, os mobilizadores sociais pela Educação Solange Lazzari e David Arcênio coordenadora pedagógica da Secretaria de Educação de Coronel Pilar (RS) e integrante do Comitê de Mobilização da capital fluminense e região metropolitana, respectivamente – visitaram a equipe do PMSE no Ministério da Educação para conversar sobre o andamento das ações de mobilização das famílias em suas cidades. 

(da esq. para a dir.) Coordenadora PMSE/MEC, Ivanete dos
Santos; secretária de Educação de Coronel Pilar, Solange
Lazzari; e assessor da SEB, Hudson Guimarães
Além de debater sobre estratégias para ampliar a mobilização em seu município, durante o encontro, a representante da Secretaria de Educação de Coronel Pilar, Solange Lazzari, também recebeu orientações e esclarecimentos sobre o Plano de Ações Articuladas (PAR). As informações foram fornecidas pelo assessor da Secretaria de Educação Básica, Luiz Hudson Guimarães. 

A coordenadora do PMSE/MEC, Ivanete Oliveira dos Santos, agradeceu o empenho de ambos os mobilizadores para sensibilizar suas comunidades sobre a importância da participação das famílias no cotidiano escolar e reforçou a parceria com os mobilizadores. “Nossa equipe está à disposição para apoiar toda e qualquer ação que venha a fortalecer a relação entre família, escola e comunidade”, ressaltou Ivanete.